10% do cérebro? 100% mito*.

agosto, 2007

Muito se especula sobre a capacidade do raciocínio humano. Nosso cérebro é, observando-se as devidas proporções, o maior do reino animal. Um orgão tão complexo naturalmente é alvo das mais diversas controvérsias. Uma delas, talvez a mais conhecida, é a idéia que atesta que os seres humanos só utilizam 10% de sua capacidade cerebral. Mas qual a verdade nesta afirmativa?

Antes de averiguarmos se realmente a capacidade cerebral não é totalmente utilizada, é preciso entender de onde veio tal conceito. Durante o século 19 as pesquisas sobre o funcionamento do cérebro ainda estavam engatinhando. Existiam diversas teorias sobre a maneira como o cérebro processava as informações. Uma dessas teorias alegava que o cérebro agia como um todo, processando todas as informações da mesma forma e em um mesmo local. Karl Spencer Lashley, seu criador, elaborou um experimento para comprovar sua teoria. Realizava pequenas cirurgias em ratos, lesionando propositalmente partes do cérebro dos animais e depois averiguando seu comportamento.

Lashey logo chegou a conclusão de que, de fato, os ratos não mostravam perda de habilidades visuais ou de memória significativas, mesmo quando a lesão atingia aproximadamente a metade do cérebro. Seus experimentos foram a base de outras teorias que foram surgindo e acabaram por gerar o mito de que os seres humanos não utilizam plenamente sua capacidade cerebral.

Embora sempre tenha havido oposição a esta teoria, ela acabou sendo amplamente difundida pois permitia uma série de interpretações nada científicas. “Videntes” e pessoas que alegavam possuir toda sorte de poderes sobrenaturais davam credibilidade às suas habilidades dizendo que eram capazes de utilizar mais amplamente sua capacidade cerebral. Os “10% do cérebro” viraram um local seguro a se recorrer quando um embasamento científico era necessário para dar credibilidade a algum tipo de charlatanismo.

A teoria de Lashley não sobreviveu aos ataques da ciência. Scanners de ressonância magnética e os PET’s demonstraram visualmente que de fato o cérebro age de forma compartimentalizada, processando diferentes informações em diferentes regiões. Os experimentos de Lashley também se provaram tendenciosos já que não analisavam de forma ampla o comportamento dos ratos lesionados. No mais, a própria afirmação de Lashley não se sustenta. Seria possível retirar 90% do cérebro de uma pessoa sem causar danos reais? O que dizer dos lobotomizados? Afinal, o que esses 10% significam de fato? Nem Lashley, nem os defensores de sua idéia souberam responder.

Hoje em dia o mito dos 10% ainda sobrevive, mas com nova roupagem. No livro Cachorros de Palha (RCB, 2005) John Gray defende que nosso consciente só consegue captar alguns poucos megabytes de informação enquanto nosso inconsciente capta um número muito maior de dados. Não há formas científicas de se quantificar a quantidade de dados captados pelo consciente, mesmo essa divisão de consciente, subconsciente e inconsciente é questionada pela ciência. Tal idéia não me parece diferir muito do mito dos 10%, tanto em sua honestidade quanto em sua validade.

*Obrigado ao amigo Ogro pela idéia do texto.

Indo além

Cachorros de Palha
Continuum: Como Funciona o Cérebro?

Mente e Cérebro

Raça Humana

agosto, 2007

Existem questões na biologia que são controversas por suas implicações político-sociais. Entre as mais discutidas está a existência ou não de raças (ou subespécies) na espécie humana. Até pouco tempo eu mesmo tinha dúvidas sobre essa questão. Durante a faculdade a maioria dos professores que foram indagados sobre o assunto, assumiam que as diferenças morfológicas encontradas entre negros, caucasianos e mongolóides são suficientes para deixar claro a existência de raças na espécie humana. No entanto, parece que as coisas não são bem assim.

É fato que a análise morfológica sempre teve papel fundamental na classificação de espécies. Era justamente a análise das estruturas dos animais encontrados que determinava sua classificação taxonômica. A morfologia ainda é empregada hoje, mas a genética começou a modificar a forma como a taxonomia (ciência que estuda a classificação dos animais) define o lugar de cada animal na árvore da vida.

E vem da genética as bases do conceito de raça empregado atualmente na biologia. Tal conceito atesta que o termo raça pode ser empregado quando membros de duas comunidades possuem diferenças genéticas maiores do que entre membros de sua própria comunidade. Em termos mais simples funciona assim:

  • É feita a análise do código genético de uma população caucasiana e uma população negra;
  • O código genético dos indivíduos da população caucasiana são comparados a fim de se estabelecer uma porcentagem da variação genética desta população. O mesmo é feito com a população negra;
  • O código genético dos indivíduos caucasianos é então comparado ao código genéticos dos indivíduos da população negra a fim de se estabelecer a porcentagem de variação genética destas duas populações;
  • Caso a análise ateste que existem maiores diferenças genéticas entre indivíduos caucasianos e indivíduos negros do que entre indivíduos de uma mesma população, então podemos dizer que existe uma raça.

Tal análise foi de fato realizada na ocasião do projeto genoma e a conclusão a qual se chegou foi de que não existem variações genéticas consideráveis entre populações diferentes na espécie humana. A diferença genética entre mim e um pigmeu australiano é a mesma que entre mim e minha irmã, por exemplo. É curioso notar que nem mesmo entre os cachorros o conceito de raça biológica poderia ser utilizado, também pelos mesmos motivos.

O conceito de raça então não é biológico. A bem da verdade a palavra “raça” hoje em dia define muito mais uma etnia do que uma subespécie. Vale lembrar também que nós já somos enquadrados como uma subespécie. O nome científico utilizado para nos descrever é Homo sapiens sapiens, sendo a palavra “Homo” o nosso gênero, o primeiro “sapiens” nossa espécie e o segundo “sapiens” nossa subespécie. A nomenclatura biológica atual não prevê regras para definições de subgrupos de subespécies, o que reforça a idéia de que sendo o ser humano moderno uma subespécie não deve ser dividida ainda mais em subgrupos adicionais.

Evidente que o conceito de raça pode continuar sendo empregado de forma comercial para definir diferentes linhagens de cachorros ou cavalos, mas devemos lembrar que é um termo que não é sustentado pela biologia e não deve ser utilizado como forma de diferenciação morfológica. O termo também não deveria ser utilizado para definir as diferenças existentes entre indivíduos humanos, talvez a palavra etnia realize tal função de forma mais eficiente já que é empregada para diferenciar as particularidades culturais das mais diversas populações.

Indo além:

Genes, Povos e Línguas
A Invenção das Raças

A difícil arte do saber ouvir.

agosto, 2007

Me vem agora a situação ocorrida entre Albert Einstein e Edwin Hubble, dois dos maiores cientistas de todos os tempos. Na ocasião do desenvolvimento da teoria da relatividade geral Einstein partia de um modelo de universo estático. Para que seus cálculos fossem condizentes com esse modelo estático Einstein criou a constante cosmológica¹. A constante foi contestada por Edwin Hubble que propôs um modelo de universo em expansão que excluía a necessidade de uma constante nos cálculos da relatividade geral. Einstein então abandonou sua idéia alegando que ela teria sido o maior erro de sua vida.

Em um cenário ideal o debate científico deveria ser sempre assim. Não raro as teorias científicas se contradizem ou explicam fenômenos de formas diferentes. Não há nada errado com isso, é assim que se constrói o conhecimento científico. No entanto, nem sempre os defensores de teorias concorrentes estão dispostos a debater abertamente sobre suas linhas de pensamento.

Se o problema de comunicação já ocorre entre a comunidade científica, o mesmo se dá em graus ainda mais preocupantes quando uma teoria qualquer é discutida não só pelos cientistas mas também por leigos. Nada de errado com isso também, uma das grandes virtudes da ciência é se prestar ao debate amplo. Evidente que para tal os interlocutores devem compreender minimamente o tema que desejam debater. No entanto, isso nem sempre ocorre.

Infelizmente é muito comum a existência de debates que fogem ao que é saudável, ao debate sério e que busca o crescimento intelectual geral e o esclarecimento sobre o assunto debatido, se atendo ao combate de egos, crenças e posições políticas. Acredito que parte deste problema é a dificuldade aparentemente comum que muitas pessoas tem em parar para ouvir os argumentos e idéias de seus “adversários”. Analisar de forma séria e sem preconceito idéias opostas não é fácil, confesso que tenho este problemas muitas vezes.

Ouvir é difícil mas totalmente necessário. Devemos nos esforçar para ouvir posições contrárias às nossas, devemos dar a chance para que o “outra lado” possa construir seus raciocínio e expor as justificativas às suas idéias. Somente desta forma podemos analisar melhor nossos próprios pontos de vista e, no geral, isso é ótimo. Aponta problemas e defeitos em nossas idéias, suas limitações e as formas como melhorá-las.

Devemos nos policiar ao máximo e manter a mente sempre aberta a mudanças e a novas idéias. É importante evitar ataques ad hominem já que desacreditar nossos adversários não é ético, bonito e nem invalida suas idéias. Debates devem se prestar a troca de idéias e análise destas idéias, não existem vencedores e perdedores em debates sérios. Saber ouvir e permitir a livre expressão de idéias e teorias opostas as nossas faz parte da construção do conhecimento científico e moral de todos, e seria ideal se todos tivéssemos a humildade que Einstein teve.

Saber ouvir é, antes de tudo, um exercício fundamental para o bem estar da sociedade e para o progresso honesto.

¹: A constante cosmológica hoje em dia é considerada como válida na teoria atualmente discutida de que o universo na verdade esta em expansão acelerada. O caso demonstra mais uma vez o caráter dinâmico da ciência, aonde teorias e idéias que hoje são julgadas como ultrapassadas podem ser consideradas válidas novamente em decorrência de novas descobertas.

Design Inteligente?

agosto, 2007

Vamos imaginar uma situação simples. Você entra na cozinha de sua casa e encontra um bolo de fubá prontinho em cima da mesa. Enquanto considera se deve comer o bolo com leite condensado ou manteiga você pode se perguntar sobre a origem do bolo. Foi feito em casa? Foi comprado? Mas será que você consideraria a hipótese de o bolo ter se formado por uma série de eventos acidentais aleatórios? Você consideraria a idéia de um caminhão de farinha ter atropelado uma banca de ovos da feira em frente a sua casa e no acidente ter lançado a quantidade certa de farinha e ovos pela sua janela dentro de uma forma localizada em cima do fogão e que caiu dentro do seu forno, ligando o fogo no processo e assando o bolo?

A situação hipotética acima é um exemplo das argumentações feitas pelos defensores da teoria do Design Inteligente contra a teoria da evolução. A idéia é de que os organismos vivos são complexos demais para terem se originado por um processo aleatório, alguns sistemas orgânicos como os olhos e o fator de coagulação são tão complexos que dificilmente poderiam ter se formado de forma gradual como sugere a teoria neodarwinista. É o que o Design Inteligente chama de complexidade irredutível. Como solução alternativa ao “deixa estar” natural proposto pela teoria da evolução, o DI propõem então que a única explicação plausível para o problema é a intervenção de uma inteligência superior não definida. O próprio designer inteligente.

Mas será que o Design Inteligente pode ser considerado uma teoria de fato? Seria ele uma alternativa à teoria da evolução, como assim desejam seus defensores?

Se lembrarmos do racionalismo crítico vamos notar que para que uma hipótese seja considerada como teoria ela deve, obrigatoriamente, poder ser falseada. Estabelecer argumentos ou hipóteses em princípios que não possam ser negados ou comprovados é o mesmo que retirar todo o objetivismo de um enunciado. A pedra fundamental do DI é a existência de uma inteligência superior que afeta diretamente os processos biológicos deste planeta. Mas qual a natureza dessa inteligência superior? Aonde ela está? Como ela age? E quando? Sob quais condições?

Todas essas perguntas não são respondidas ou mesmo abordadas pelo DI. Tudo o que o DI faz é tentar explicar um fato natural utilizando-se de algo que não podemos saber como é ou mesmo se existe de fato. Fica evidente portanto que o DI não pode ser encarado como uma teoria séria, na verdade, não pode ser encarado sequer como uma teoria.

O argumento da complexidade irredutível já foi refutada diversas vezes por cientistas diferentes. Os princípios de evolução convergente e divergente fornecem uma explicação plausível e científica sobre a origem de partes complexas. Mesmo Michael Behe, um dos maiores defensores da complexidade irredutível, abandona a idéia em seu livro mais recente, aceitando a ancestralidade comum dos seres vivos mas alegando que esta ancestralidade ainda é guiada por um “designer inteligente”.

O Design Inteligente não se sustenta. Suas argumentações contra a teoria da evolução são fracas e geralmente refutáveis. Não apresenta indícios sérios de seus enunciados e não deve ser encarado como uma alternativa válida à teoria da evolução.

Indo além:

A Caixa Preta de Darwin

O Relojoeiro Cego

A Escalada do Monte Improvável

Como a ciência funciona: O Racionalismo Crítico moderno e suas críticas.

agosto, 2007

As idéias de Popper, que foram discutidas no texto anterior, sofreram severas críticas de uma série de filósofos. Entre eles podemos sitar Thomas Khun e Lakatus. As críticas desses filósofos diziam que históricamente uma teoria que tenha sido superada por outra não é, muitas vezes, descartada e pode continuar sendo válida. Um bom exemplo desse cenário é o que ocorre com a teoria newtoniana e a teoria da relatividade de Einstein. A primeira tendo sido superada pela segunda deveria ter sido descartada, no entanto muitos cálculos ainda são feitos baseados na teoria newtoniana mesmo essa tendo sido superadas.

Alguns opositores do racionalismo crítico tem como alegação central de que não é possível falsear qualquer teoria existente. Basta modificar as hipóteses auxiliares que suportam a teoria para resolver o problema. Seria o equivalente a dizer que ainda que não se encontrassem fósseis transitórios que pudessem suportar a teoria da evolução isso não invalidaria a teoria pois os fósseis podem não ter se formado por diversos motivos, ou por que os animais transitórios não existiam em número suficiente a ponto de deixarem fósseis ou ainda por que não foi possível encontrar tais fósseis.

Para alguns racionalistas críticos modernos no entanto, as críticas as idéias de Popper são infudadas. Eles alegam que com efeito as teorias, ainda que tenham sido superadas, podem ser alvo de dedicação de grupos de cientistas com o interesse de atualizá-las ou solucionar os problemas que às levaram a serem deixadas de lado. Ou seja, ainda que a teoria tenha sido falseada, ela pode passar por modificações que permitam que ela tenha validade novamente.

Portanto, ainda que o racionalismo crítico tenha opositores, ele ainda é aceito como sendo válido e é de qualquer forma um bom método para se avançar no entendimento do universo que nos cerca. As idéias de Khun e Lakatus também são defendidas por grupos de cientistas e seus conceitos também são válidos embora muitas vezes sejam divergentes com o racionalismo crítico.

A série de artigos sobre o método cientifico se encerra aqui. Um tema tão fundamental e abrangente forneceria por si só material para um site exclusivo. Não pretendo transformar o Polegar Opositor em um dossiê sobre o método científico, mas inevitavelmente este será um tema recorrente. Espero ter conseguido condensar o tema a ponto de torná-lo inteligível para todos que aqui chegaram mas em caso de dúvidas e sugestões, por favor, não exitem em usar a caixa de comentários ou os tentilhões.

Indo além:
O Método Científico: Como o Saber Mudou a Vida do Homem