Para discutir Biologia Comparada

abril, 2011

E, aproveitando que estávamos falando sobre Biologia Comparada e sobre como ela vêm se constituindo na linha de frente da Biologia teórica atualmente, venho dizer que o Brasil não está por fora dessa onda. Muita pesquisa séria vem sendo desenvolvida por aqui nessa perspectiva, e a área vem crescendo bastante no país. Existem por aqui alguns programas de pós-graduação específicos para a formação de pesquisadores especialistas em Biologia Comparada.

E um deles, o da USP de Ribeirão Preto, está se organizando para promover no final de julho um Encontro de Biologia Comparada que vai trazer a interessante temática “A diversidade de formas no tempo e no espaço”.  O principal objetivo do encontro é mobilizar estudantes, professores e profissionais da Biologia em discussões sobre mudanças observadas nas diferentes formas de vida nas dimensões temporal (passado, presente e futuro) e espacial (distribuição geográfica), além de manter os objetivos dos encontros anteriores, que são promover a integração entre os alunos do Programa de Pós-graduação e a comunidade acadêmica e divulgar as linhas de pesquisa desenvolvidas dentro do programa.

Portanto, se você é biólogo e trabalha com Biologia Comparada, esse é um ótimo lugar para divulgar o seu trabalho. E, se você é um biólogo que trabalha com outra coisa (como eu!) ou se não é biólogo, mas gosta do assunto, essa é uma oportunidade de ouro para participar de discussões evolutivas interessantes e para acompanhar o que se tem pesquisado na área em nosso país. Te vejo lá!

 

As duas Biologias de Mayr

abril, 2011

Em 1859, quando Darwin publicou “A Origem das Espécies”, ele já sabia que tempos difíceis estavam por vir. E vieram. As idéias contidas naquele livro causaram um grande rebuliço não somente na comunidade acadêmica da época, mas na sociedade como um todo. Num âmbito mais geral, a idéia de uma espécie descender de outra (e especialmente a idéia do homem descender “do macaco”) batia de frente com os ideais religiosos da Europa do século XIX – na verdade, ainda bate com ideais religiosos de hoje, mas deixemos o conflito ciência x religião para um outro post. Na esfera acadêmica, o tempo de existência da Terra era um assunto sobre o qual os cientistas ainda estavam longe de entrar em consenso, e como o argumento de Darwin tinha como premissa que a Terra era muito antiga, esse era um assunto recorrente entre seus opositores. Inclusive, Lord Kelvin, o grande físico criador da escala termométrica universal, era um desses opositores, e um que deu muita dor de cabeça a Charles Darwin¹.

Resumindo uma história longa, quando Darwin propôs sua teoria da evolução por seleção natural, ela não foi aceita de cara pela comunidade científica. Na verdade, isso demorou mais de meio século pra acontecer. Talvez as pessoas de sua época não tenham conseguido entender o que ele estava tentando dizer. Talvez tenham entendido, mas viviam num paradigma que as impedia de dar crédito para uma teoria daquele tipo. Ou talvez de fato as evidências existentes na época favorecessem uma outra forma de pensar. Seja lá o que for, o fato é que quando perceberam (muito tempo depois) a profundeza e o poder da teoria darwiniana, ficaram muito empolgados. Muito mesmo! Mas como a teoria de Darwin era muito mal vista pela maior parte das pessoas na academia e fora dela, aqueles que a aceitavam começaram um grande movimento de divulgação e defesa do darwinismo.

continue lendo >>