Com o coração do lado direito

abril, 2010

Há dias, estava eu a tentar por ordem nas dezenas de ficheiros que flutuam no ambiente de trabalho do meu notebook, quando de repente me salta aos olhos um artigo sobre competição espermática. Ah, os espermatozóides! Lembrei-me logo de uma história que eu costumo sempre contar quando pretendo mostrar a alguém como a lógica da vida nos prega uma valente rasteira de cada vez que julgamos saber tudo.

Woddy Allen

Os espermatozóides, como todos sabem, têm uma cauda. E é precisamente essa cauda que lhes permite moverem-se com todo aquele vigor olímpico merecedor de uma ode pítica. Os biólogos chamam-lhe flagelo. A sua construção inicia-se com uma proteína chamada tubulina, que se organiza em longas estruturas tubulares, formando microtúbulos, que por sua vez se organizam em pares e se dispõem em círculo. Entre cada par, uma outra proteína chamada dineína põe ordem no sítio. Surge então o flagelo em todo o seu esplendor. Mas os espermatozóides não têm o exclusivo comercial destas estruturas. Os cílios, por exemplo, estruturalmente semelhantes aos flagelos mas mais curtos, batem aos molhos no nosso tubo respiratório, com a função de escoarem o muco e de filtrar e aquecer o ar inspirado. Os lagos e os mares estão cheios de microorganismos feitos de uma célula só rodeada por eficientes cílios e flagelos que lhes permitem mover-se de um lado para o outro. Os flagelos e os cílios são uma espécie de invenção mirabilis da Natureza. Mas como não há bela sem senão, é por causa deles que algumas pessoas têm o coração do lado direito. Pois. Do lado direito.

Como dizia há pouco, a dineína é a proteína que põe ordem no sítio e, mais importante ainda, gera a força mecânica necessária ao movimento dos cílios e dos flagelos. O que significa que, quando há uma falha na sua produção, instala-se um verdadeiro caos. Os flagelos e os cílios não batem e, por conseguinte, as células não podem cumprir a sua missão. A desordem instala-se. E se os espermatozóides não nadam então os homens afectados são estéreis. E se os cílios do tubo respiratório não batem então surgem as bronquites recorrentes e as sinusites e otites crónicas e aqueles narizes sistematicamente atolados em ranhoca e cheios de pólipos no seu interior. E se os flagelos e os cílios não batem então o coração fica do lado direito. Cinquenta por cento dos indivíduos que sofrem de síndrome da imotilidade ciliar sofre também de situs inversus com dextrocardia. Quer isto dizer que a assimetria corporal, definida pelas posições descentradas de órgãos ímpares como o coração, o intestino, o fígado e o apêndice, se encontra invertida e dá origem a pessoas simétricas das pessoas normais. É como se a imagem do espelho tomasse vida. Os que padecem conjuntamente dos três problemas, espermatozóides imóveis, cílios imóveis e situs inversus, dizem-se afectados pela síndrome de Kartagener, um subgrupo da síndrome da imotilidade ciliar. Kartagener porque foi precisamente este senhor que em 1933 fez com que este síndrome passa-se a letra impressa nos livros de medicina.