Pra que serve esse bicho?

fevereiro, 2010

(I)

Estive no litoral recentemente e, numa conversa com meus amigos, disse que a craca é o animal que tem o maior pênis em relação ao tamanho do corpo. Maior do que a surpresa deles ao ouvir essa curiosidade foi a minha quando uma amiga perguntou: “Mas o que é uma craca?”. No dia seguinte, na praia, havia um galho na areia cheio de cracas, e então peguei o galho e mostrei para ela. Ela, com cara de indignação, disse: “Nossa, ISSO é uma craca? Pra que serve esse bicho?”.

Ela era a única não-bióloga do grupo em que eu estava, e não simpatizou com a idéia de que os bichos não precisam servir pra alguma coisa. Falei que Darwin estudou cracas por muito tempo e que os historiadores acreditam que ele aprendeu muita taxonomia, morfologia e ontogenética em seu trabalho com esses cirripédios, além de ter percebido coisas que o ajudaram mais tarde a escrever sua obra prima, A Origem das Espécies. Mas não adiantou.

(II)

Existe um grupo de seres vivos “conhecido” (entre aspas porque na verdade pouca gente conhece, mesmo entre os biólogos) como slime molds. Sua posição filogenética ainda é controversa; uns acham que eles são um grupo de fungos e outros defendem que eles são um grupo à parte, apenas aparentado aos fungos. De qualquer forma, tem gente que faz pesquisa com eles. E alguns desses pesquisadores fizeram uma descoberta muito interessante recentemente. Em resumo (mas vale a pena ler o artigo), ao estudar o padrão de crescimento e forageio (busca por alimento) de uma espécie de slime, descobriram uma forma de revolucionar os problemas de logística e transporte do Japão (!!).

(III)

Então, pra que servem slime molds? Ora, agora podemos planejar redes de transporte a partir do padrão de crescimento deles. Mas, antes disso, eles não serviam pra nada, assim como o fungo P. notatum não servia pra nada antes de descobrirem a penicilina. Mas e as cracas? E as baratas que nos enojam e os pernilongos que nos estorvam a noite? Pra que servem? No máximo, para manter o equilíbrio ecológico em seus hábitats, de onde extraímos coisas “úteis”. Na verdade, se formos medir o valor das espécies pela serventia que elas podem ter ao homem, é provável que descubramos que boa parte das espécies “não serve pra nada”. Mas, mesmo assim, elas fascinam muita gente, que dedica a vida inteira ao estudo dessas criaturas. Por que?

Cada louco com sua mania, poderíamos dizer. Se tem um cara que quer passar a vida estudando baratas, problema dele. Quem sabe um dia ele descubra uma forma de matar todas elas. Não é bem assim, e por vários motivos. Um deles (a importância do conhecimento básico) é muito bem tratado num texto da Laura, em que ela conta o preconceito que sofre por estudar bichos que “não servem pra nada”. Um outro motivo é que, pelo menos no Brasil, é muito provável que esse louco esteja estudando baratas com o seu dinheiro, já que o Estado financia boa parte das pesquisas no país.

Para finalizar, podemos dizer que quase a totalidade das espécies já existia muito antes do ser humano surgir na face da Terra. Assim, seria muito “especiocêntrico”, para não dizer mesquinho, achar que elas estão aí pra que a gente descubra serventias, como se elas fossem “um presente de Deus” pra gente explorar. Cada espécie tem uma história única, que nunca mais se vai se repetir. Cada espécie tem sua forma especial de se relacionar com as outras e tem um papel no ecossistema. Cada uma delas tem sua estratégia de sobrevivência e seus truques reprodutivos que, mesmo quando não são exclusivos, nos intrigam. Todas elas, desde o ser humano até a mais primitiva arqueobactéria, estão interligadas na sediciosa teia biológica da evolução. Se mergulhar nesse mar de mistérios em busca de respostas que nos deslumbram não bastar para que estudar essas espécies seja importante, eu realmente não sei o que pode ser. No fundo, uma craca, uma serpente ou um ser humano “servem” pra mesma coisa: absolutamente nada. São todos frutos igualmente especiais da grande árvore da vida.