Sobre mitocôndrias, esfingomielina e estípulas interpeciolares

outubro, 2009

Estava lendo um livro esses dias que dizia que, na cidade de São Paulo, as aulas de Biologia do Ensino Médio têm uma média de seis termos novos definidos por aula. Se fizermos as contas considerando que em geral as escolas têm três aulas de Biologia por semana, veremos que o número de termos novos “aprendidos” pelos alunos é de cerca de 600 por ano. Não sei, mas acho que se eu soubesse falar 600 palavras em russo talvez eu fosse capaz de me comunicar rudimentarmente com alguns russos (os dispostos a fazer um esforço pra me entender), mas os alunos do Ensino Médio que decoram 600 termos biológicos por ano não são capazes de entender os princípios elementares da Biologia.

Os intermináveis termos técnicos sempre foram objeto de muitas reclamações de alunos em relação à Biologia, que acaba sendo vista como uma matéria “decoreba”, uma lista enorme de nomes difíceis e pomposos que devem ser memorizados e colocados nas provas. As relações entre esses nomes – e muitas vezes até seus significados – são vistas como algo secundário, quase desimportante. Na aula de Botânica, é muito importante saber que as plantas são autótrofas, o que quer que seja isso. Na de Ecologia, não se pode esquecer que as plantas têm o papel de produtores nas cadeias alimentares. A relação entre ser autótrofo e ser produtor, que é o mais importante da história, acaba se perdendo no meio dos termos, ficando em segundo plano.

Nessa situação, há dois grandes problemas. O primeiro deles é a priorização (tanto por parte dos alunos quanto dos professores) da memorização dos nomes em detrimento do entendimento dos processos: mitose não é o processo pelo qual uma célula se divide em duas; mitose é “interfase + prófase + metáfase + anáfase + telófase”. A importância de compreender que as células têm um ciclo e que os tecidos dos seres vivos estão constantemente renovando suas células dá lugar à lembrança de “picuinhas”, como a de que a telófase dos animais tem citocinece centrípeta e a das plantas tem citocinece centrífuga. Já vi muitos alunos que eram capazes de explicar todas as fases da mitose com todos os nomes difíceis, mas que pensavam que cada célula “escolhia” uma fase e ficava nela o tempo todo.

O outro grande problema é que os termos complicados dificultam a vida dos corajosos alunos que querem entender os processos, desestimulando-os. Semana passada um aluno, que estava tendo dificuldades com um texto sobre vírus, me chamou para perguntar o que era “endoparasita obrigatório”. Depois que eu expliquei do que se tratava, todo o resto das coisas que ele tinha lido no texto fez muito mais sentido, e ele me disse: “Ahhh… Então por que o cara escreve assim, tão difícil? Parece que ele faz isso de propósito, só pra ninguém entender o que ele fala.” Eu disse a ele que não era bem assim, mas não consegui me articular muito bem para explicar a importância desses termos para a Ciência. Acho que até então eu nunca tinha parado pra pensar nisso.

Porque será que os detentores do conhecimento científico se orgulham tanto de sua terminologia difícil e acham tão importante que ela seja entendida por todos que queriam aprender Ciência? Porque falar que “a membrana celular tem composição lipoproteica e disposição em mosaico-fluido” ao invés de “a película que reveste e delimita a célula é formada por lipídeos e proteínas que se arranjam de tal forma que eles nunca ficam parados no mesmo lugar”?

É estranho, mas a primeira frase, mesmo muito mais curta, parece dizer muito mais do que a segunda. Mas isso, claro, só para quem compreende o que é uma membrana celular e qual é a sua dinâmica. Os termos técnicos da Biologia são sim um código, mas um código de compactação e não um código criptográfico. A intenção não é esconder o significado real das palavras, mas sim agregar vários conceitos em uma única palavra. Assim, “lisossomo” não é só uma forma chique de dizer “bolsa cheia de enzimas que digerem as partículas que entram na célula”, mas uma forma de sintetizar uma ampla gama de conceitos e processos de uma forma que todos os que forem estudar Biologia Celular entendam da mesma maneira. Um lisossomo no Brasil é o mesmo que um lisossomo nos Estados Unidos, na Botsuana, ou em qualquer outro lugar do mundo. Isso é muito importante, pois, dessa forma, um cientista da Armênia pode ler um artigo de um cientista de Laos e ter certeza de que ele está falando daquele lisossomo– até mesmo porque não existe outro.

Mas e os estudantes, como ficam nessa história? Eles não são cientistas, e muitos deles não almejam ser. Vemos de forma muito negativa o fato de eles enxergarem a Ciência como algo inatingível, mas quando eles se interessam em aprender Ciência, se deparam com textos que são incapazes de entender. É totalmente compreensível que os alunos pensem que esses textos não foram feitos para eles e que achem que decorar as palavras esquisitas é a forma mais adequada de aprender Ciência.

A Biologia escolar não deve abolir os termos. “Sintetizar” não é o mesmo que “produzir” e “população” não é o mesmo que “bocado de indivíduos”. Tornar esses termos sinônimos não é o caminho para tornar a Biologia uma matéria mais interessante nas escolas. Isso na verdade só iria piorar as coisas, pois distanciaria os alunos ainda mais da Ciência. A mudança que precisa acontecer é exatamente o oposto disso. Deve haver uma aproximação dos alunos à Ciência, mas uma aproximação verdadeira. Eles devem entender como a Ciência é produzida e como ela funciona, sem misticismos, sem ilusões. A Biologia escolar tem conteúdo demais e aprendizagem de menos. Se os alunos entendessem como o conhecimento biológico é construído, eles entenderiam, entre muitas outras coisas, a origem e a importância dos termos, e a aprendizagem não ficaria reduzida à memorização de nomes e processos. A quantidade de informações advindas do campo da Biologia é enorme e não tem como ensinar tudo para os alunos. No entanto, tem como ensinar a eles como a Ciência funciona pegando o conhecimento biológico como pano de fundo. O mesmo poderia acontecer nas aulas de Física e Química.

Entendendo como a Ciência é construída, os alunos poderiam fazer suas próprias pesquisas ao invés de ficar em suas carteiras esperando o produto acabado da Ciência cair em seus colos de forma descontextualizada. Para isso, seria preciso repensar todo o ensino de Ciências. Todavia, a necessidade de reavaliar as práticas educacionais não é novidade pra ninguém. O ensino vai muito mal e não é só no Brasil. É necessário relembrar uma coisa óbvia: o mais importante numa aula de Ciências é aprender Ciências! Como a quantidade de informação científica é gigantesca e só tende a aumentar, seria muito mais negócio focalizar a construção do conhecimento científico para formar alunos que conheçam a base de cada campo da Ciência e saibam aplicar esse conhecimento do que insistir num ensino enciclopédico que as últimas décadas deixaram bem claro que não funciona.