Uma nota breve sobre a adaptação das espécies II

abril, 2010

Mas afinal o que é que faz com que haja tanta variedade? Para os neodarwinistas, essa variedade resulta fundamentalmente das mutações e da recombinação génica. Mas há um outro mecanismo de produção da variação que é a simbiose e a transferência horizontal de genes. Por exemplo, quando começámos a sequenciar o genoma humano, ficámos surpreendidos pela quantidade de DNA que aparentemente não tinha qualquer utilidade. Era referido como junk DNA. Hoje sabemos que esse lixo é afinal informação genética de vírus e bactérias que a determinada altura integraram o genoma humano. Por exemplo, porque razão a nossa flora intestinal se mantém ordenadamente dentro de certos parâmetros fisiológicos e apenas com aquelas variedades de bactérias? Certamente porque houve transferência horizontal de genes. Um outro exemplo bastante paradigmático é o caso da lesma Elysia chlorotica que ao alimentar-se da alga Vaucheria litorea tem a capacidade de incorporar no seu epitélio intestinal os cloroplastos desta, e apenas desta, alga, mantendo-os viáveis por um período de cerca de 8 meses. No final desse período, ingere e integra novos cloroplastos. Ora, para isto acontecer, teve que haver uma transferência horizontal de genes por forma a que esses cloroplastos se mantenham viáveis. Na verdade, foram identificados no genoma da E.chlorotica genes – por exemplo, rbcL, rbcS, psaB, psbA – da alga V.litorea que possibilitam que haja uma tradução e transcrição activa de genes cloropastidiais dentro do animal hospedeiro. O que é, digamos assim, algo de absolutamente surpreendente. Por conseguinte, mutações, recombinação génica e simbiose são os grandes produtores de variedade contribuindo assim para uma maior possibilidade de adaptação por parte das espécies aos múltiplos desafios ecológicos.

Será que é mesmo assim? Dawkins dirá que sim, que somos escravos de genes egoístas. Mas o conceito de adaptação também pode ser discutido noutra dimensão. Eu comecei por dizer que a adaptação é apenas aparente, o que na verdade acontece é que é a diversidade de características que possibilita a adaptação. No entanto, há casos em que a adaptação é comportamental e até mesmo cultural e tecnológica. Por exemplo, o engarrafamento do oxigénio permitiu-nos explorar novos mundos. Ou então coisas tão simples como a invenção de fatos térmicos que nos permitem aguentar temperaturas negativas que em condições normais seriam fatais. Até mesmo nas relações sociais nós desenvolvemos estratégias comportamentais de adaptação. E não se pense que isto é um exclusivo dos humanos. Muitos outros animais desenvolvem estratégias comportamentais, muitas delas adquiridas pela transmissão cultural. Por exemplo, os chimpanzés que fabricam instrumentos, as garças de Trinidad que usam um isco para capturaram peixes na superfície do lago, o abutre do Egipto que recorre a pedras para quebrar a casca dos ovos capturados, estorninhos que se esfregam com formigas porque o ácido fórmico elimina os parasitas, etc. Ou seja, a adaptação não é exclusivamente genética, isto é, ao nível dos genes, mas é também cultural.