Deus e o Diabo na terra da ciência.

janeiro, 2009

Existia um debate polêmica em história da ciência sobre a forma de se estudar o passado. Os primeiros historiadores, comprometidos com o projeto positivista, não demoraram a fazer da ciência uma narração de conquistas e vitórias quase heroicas.

A história da ciência era narrada como uma sucessão de fatos que se seguiam gradativamente até chegar a um ponto de excelência e modernidade. E para cada passo, alguns homens eram definidos como os grandes bastiões do desenvolvimento científico. O problema com esse tipo de narração é que, com frequência, ela esta errada.

Sabemos que a ciência se desenvolve em caminhos tortuosos, as vezes damos passos para trás, as vezes abandonamos teorias que estavam bem estabelecidas a bastante tempo e por aí vai. A ciência moderna não é a uma coleção de sucessivos acertos, ou mesmo um empreendimento de grandes glórias.

Mas há algo nessa narrativa que a faz persistir, não mais na história da ciência, aonde essa discussão já foi superada a uns 80 anos, mas na divulgação científica. A questão é que “desenhar” um caminho indubitavelmente progressivo e de grandes realizações é extremamente sedutor. E isso aplicado à divulgação científica resulta na conquista praticamente sem esforço da atenção do leitor.

O problema é ganhar a atenção do leitor em troco de uma divulgação equivocada. Grande parte dos problemas do entendimento público da ciência estão, de certa forma, relacionados com a maneira como a ciência é “vendida”. A noção de progresso e modernidade as vezes são rapidamente incorporadas pelos textos científicos, e não me refiro aqui apenas aos textos de divulgação, mas também os textos escolares, e acabam por dar sequência à mazela positivista.

Não faltam exemplos neste sentido. A maçã de Newton, o experimento de Galileu na Torre de Pisa, os tentilhões que provocaram o grande insight de Darwin, só pra citar as mais comuns. Sabemos que todas elas possuem o seu bocado de verdade, mas sobram exageros.

É verdade que Darwin teve ajuda da observação dos mais variados tipos de tentilhões nas Galapagos. Mas também contou com seu histórico familiar no que diz respeito à evolução, e sofreu influência das obras de Charles Lyell e Thomas Malthus. Da mesma forma que Galileu provavelmente fez experimentos com a queda dos corpos, mas não há nada que nos leve a crer que tais experimentos foram feitos na Torre de Pisa. E Newton, até aonde se sabe, apenas se perguntou se a força que faz as maçãs caírem, também afeta os planetas.

Argumenta-se que é preciso conquistar o leitor de ciência, se possível, inspirar o leitor de ciência. Não discordo do argumento. Mas é preciso tomar cuidado. As vezes, na tentativa de agradar, transformamos a ciência em uma aventura empolgante, quando na maior parte do tempo não há nada de exatamente fantástico no trabalho científico. Sem tomar o devido cuidado, “vendemos Deus e entregamos o Diabo”.

É claro que a beleza esta nos olhos de quem vê. Há algo de belo e poético na simples ideia de se investigar o mundo que nos cerca. E sendo este o objetivo da ciência, não é preciso criar pirotecnias ou contos de fadas a respeito da atividade. A ciência é ontologicamente bonita.