Doutrina Monroe na Ciência

novembro, 2009

Os leitores desse blog devem saber bem que os cientistas são pessoas tão normais quanto qualquer outra. Eles não carregam nada de especial ou de sobrenatural; são apenas pessoas que têm um trabalho, que porventura é o de cientista. Assim como as pessoas normais, os cientistas têm interesses pessoais que eles muitas vezes colocam à frente dos interesses da coletividade, e esses interesses muitas vezes se deixam transparecer nas posições que eles assumem dentro da Ciência.

Mais do que isso, muitas vezes os cientistas tentam utilizar a própria Ciência para legitimar o seu ponto de vista pessoal sobre determinado assunto. Certa vez escrevi um texto que tangia essa questão ao falar de tempos não tão remotos assim em que a teoria da evolução de Darwin foi distorcida para “provar cientificamente” que os ricos são mais inteligentes que os pobres. “Doutrina Monroe na Ciência” é um texto sobre um outro grupo de cientistas tendenciosos que acham que a idéia de tornar a Ciência acessível a todos não é muito boa. Para eles, a Ciência deve ser deixada para os cientistas, os únicos capazes de entendê-la de verdade.

“América para os americanos”

O final do séc. XVIII e início do XIX foi um período bastante conturbado na América Latina, e em especial na América Central. Vários países que até então ainda eram colônias conquistaram a independência política de suas metrópoles européias, que desde o início do séc. XVI exploravam e extorquiam essas terras e esse povo.

Enquanto as ex-metrópoles européias calculavam o rentável saldo de 300 anos de exploração, uma emergente potência da América do Norte viu nessa situação uma possibilidade de se dar muito bem. A estratégia era simples, e deu muito certo. Ela consistia basicamente em se “fazer de bonzinho” e ficar do lado das ex-colônias, defendendo-as de possíveis re-colonizações européias. Seu elaborador, o então presidente dos Estados Unidos James Monroe, a divulgou numa mensagem mandada ao congresso dos EUA em 1823:

“Julgamos propícia esta ocasião para afirmar, como um princípio que afeta os direitos e interesses dos Estados Unidos, que os continentes americanos, em virtude da condição livre e independente que adquiriram e conservam, não podem mais ser considerados, no futuro, como suscetíveis de colonização por nenhuma potência européia”.

Por trás do discurso, uma mensagem clara: “Sai pra lá, Europa! Agora é nossa vez de colonizar!” Os países latino-americanos trocaram (sem muita escolha, na verdade) um colonizador por outro, por quem são explorados até hoje.

“Ciência para os cientistas”

Em 1995, Morris Shamos escreveu o livro “The Myth of Scientific Literacy”, em que defende que a idéia de que toda a população pode ser alfabetizada cientificamente é um mito. Segundo ele, a Ciência é difícil e complexa demais para que as pessoas comuns consigam entendê-la o suficiente para participar das discussões científicas que afligem a sociedade nos dias de hoje. Assim, questões como o aquecimento global, o uso de células tronco, a destruição de florestas, a extinção de espécies, a clonagem humana, etc., não devem ser discutidas pelas pessoas comuns, por que, afinal, são assuntos da Ciência, e os assuntos da Ciência são complicados demais para que as pessoas entendam o que está em jogo. O julgamento delas é inútil, já que elas não têm, e nunca terão, nem o conhecimento técnico nem as capacidades intelectuais que os cientistas têm.

Já que a “Ciência de verdade” é inatingível para a maioria das pessoas, o autor defende a idéia de que a educação das massas deveria conter não um ensino de Ciências, mas um “curso de apreciação da Ciência”, parecido com os cursos de apreciação musical que alguns colégios têm. O objetivo desses cursos seria a diversão e o entretenimento, uma vez que investir numa formação científica para a cidadania é perda de tempo. Ele diz que a educação científica como existe hoje é penosa e ineficaz para os estudantes, e que as coisas não precisam ser assim. Já que ninguém vai aprender nada mesmo, que pelo menos eles se divirtam. Já aqueles que têm “o dom para ser cientistas” deveriam receber uma educação tradicional, com aulas expositivas e práticas, como as que existem hoje em dia.

Os argumentos levantados pelo Sr. Shamos são altamente polêmicos e questionáveis (tenho certeza que o leitor deve ter encontrado vários furos), mas isso de forma alguma o torna  um maluco que escreveu um livro infeliz. Ele é apenas um dos muitos cientistas que defendem uma linha de pensamento elitista e reacionária que, obviamente, está pautada em escolhas e interesses políticos.

Se levarmos a cabo as idéias desses de cientistas, teremos um cenário em que um pequeno grupo de pessoas “abençoadas com o dom para serem cientistas”, que – olha só que coincidência! – são quase todas das classes mais ricas, discutem a Ciência e tomam decisões que vão atingir toda a sociedade, enquanto as pessoas mais pobres (que são a imensa maioria da população) são iludidas com uma Ciência lúdica, sensacionalista e falsa. Essa Ciência “divertida” seria um verdadeiro presente para as classes mais pobres, que não precisariam mais ser massacradas pelo árduo conhecimento científico que são obrigadas a engolir nas escolas.

James Monroe manteve a Europa longe da América Latina para que os EUA pudessem se banquetear nos recursos desses países pobres. Shamos e seus colegas gostariam de manter a Ciência autêntica longe do “povão” para que as classes mais ricas possam continuar se banqueteando nos recursos que uma população alienada tem para oferecer. Tudo isso é só uma resposta das amedrontadas elites aos movimentos progressistas na educação científica. A idéia de uma população letrada não interessa muito a eles.

“Julgamos propícia esta ocasião para afirmar, como um princípio que afeta os direitos e interesses das classes dominantes, que o conhecimento científico, em virtude das condições elitizadas que adquiriram e conservam, não podem mais ser considerados, no futuro, como suscetível de ser acessado por nenhuma pessoa de baixa renda”.