Empreendimento temporário?

outubro, 2009

Certa vez, e várias vezes depois dessa, eu li que o conhecimento científico é somente mais um tipo de conhecimento humano, e que não deveria haver valorações, ou seja, não deveríamos considerar o conhecimento científico melhor (ou pior) do que os outros tipos de conhecimento humano, como o religioso, o do cotidiano, a sabedoria popular, etc. “Há, até parece! O cara que escreveu isso deve ser um criacionista lazarento!”, pensei eu na primeira vez que li isso. E na segunda. E na terceira. De certo na quarta também. Talvez na quinta e na sexta. Enfim, entender isso foi um processo lento e doloroso, e até hoje me pego de vez em quando pensando que a Ciência é a melhor.

Thomas Kuhn, o grande filósofo dos paradigmas e das revoluções, me ajudou a entender isso, mas eu tive que extrapolar a teoria dele um pouquinho para isso. Tive que tirar ela da Ciência pra perceber que existem paradigmas também na sociedade; existem idéias e valores que permeiam a forma de pensar das pessoas de uma maneira tão íntima que parecem imutáveis e atemporais. Essa noção de que o conhecimento científico é melhor que os outros tipos de conhecimento é um desses paradigmas, e para entender como ele surgiu temos que voltar no tempo até uma época em que as coisas eram bem diferentes: a Idade Média.

Nessa época, a Ciência era um empreendimento secundário e muito mal visto. Os corajosos que se atreviam a dar explicações científicas para os fenômenos naturais iam parar na fogueira. A sociedade era altamente religiosa, e religiosa de uma forma que não conseguimos imaginar. Aquela sua avó que vai à missa todo dia e reza o terço três vezes por semana seria quase herege nesse tempo. Estamos falando de pessoas que procuravam na bíblia a explicação para todos os fenômenos. A palavra de Deus era a palavra de ordem, e se você sequer se sentisse inseguro por um momento para acreditar nisso, a brasa da fogueira estava quentinha te esperando.

“Nossa, mas que tempos horríveis!” “Como a igreja era má!” “Essas pessoas tinham o pensamento muito limitado!” Tudo isso é verdade, ou ao menos parece verdade, quando olhamos pra Idade Média com os olhos de nossa época. Mas temos que nos atentar para o fato de que, naquela época, isso tudo fazia muito sentido. Chegaremos lá.

Hoje em dia vivemos na era da informação, da tecnologia, da Ciência. Explicações não científicas para qualquer fenômeno são mal vistas, quando não ridicularizadas. Nem mesmo os valores morais conseguem barrar a Ciência. Cientistas se juntam num navio e vão para águas internacionais (onde não há lei) para fazer experimentos com embriões humanos e ninguém está nem aí. Quem não sabe mexer num computador é excluído da sociedade, e as culturas que pensam e vivem de forma diferente (indígenas, aborígenes, etc.) são vistas como artefatos exóticos, que devem ser preservados com o único intuito de entreter-nos.

“Nossa, mas que tempos horríveis!” “Como os cientistas são maus!” “Essas pessoas têm o pensamento muito limitado!”. Os tempos são outros. Os inquisidores agora somos todos nós, que “jogamos na fogueira” todo mundo que acha que a Ciência não vai salvar a humanidade.

Tudo isso faz muito sentido se olharmos o lado histórico da coisa. Na Idade Média, estávamos no feudalismo. Existiram grandes impérios, cada um com seu respectivo Rei. O Rei era considerado um representante de Deus na Terra. Ora, me parece que faz todo o sentido ter uma população extremamente religiosa quando o comandante é considerado um representante divino, não?

Hoje em dia, vivemos o ápice do capitalismo. Não existem mais Reis. Os poucos que ainda sobraram são meras figuras ilustrativas, que não governam sem seus parlamentares. Nosso “rei” é o capital; vivemos em função dele. Curiosamente, a “revolução científica” que aconteceu no final da Idade Média, e que consolidou a Ciência como a forma mais adequada de pensar o desconhecido, coincide com a ascensão da burguesia como classe dominante – início do capitalismo. Ora, a religião é algo que todos, ricos e pobres, negros e brancos, têm acesso. A Ciência não. Se você quiser entender a Ciência, você vai ter que gastar bastante dinheiro. Seja pelas taxas de museus, seja pelos cursos de Ciências, seja pelos preços abusivos das revistas científicas, o acesso à Ciência é restrito a quem está disposto a pagar. Se temos que pagar, vira negócio, e negócios dão lucro. Como o lucro é o fundamento básico do capitalismo, a legitimação do conhecimento científico como o mais verdadeiro interessa muito para o sistema capitalista.

Não estou dizendo que devemos parar de investir no conhecimento científico por que isso ajuda o capitalismo e o capitalismo é ruim. Não escrevi esse texto com intenções comunistas; escrevi-o para gerar uma reflexão. O que é verdade dentro da Ciência muda o tempo todo, todos sabemos disso, isso é mais ou menos fácil de entender. Não tão óbvio é o fato de que a Ciência nem sempre foi legitimada como a melhor forma de pensar. A definição do que é verdade é construída socialmente, e isso é bem difícil de entender, por que para isso temos que reconhecer que vivemos num paradigma burguês. Pense nisso.