Fatos fatídicos

dezembro, 2009

“Helado”, em Espanhol, não significa “gelado”. “Bixa”, em português de Portugal, não significa “gay”. De forma semelhante, existem alguns termos que são utilizados em Ciência que têm significados muito diferentes do que parecem ter. Dois desses termos merecem atenção especial: “teoria” e “fato”.

Na linguagem do dia-a-dia, dizer “eu tenho uma teoria” é o mesmo que dizer “eu acho que”, ou seja, as teorias carregam um alto grau de incerteza. Em contrapartida, na Ciência as teorias são hipóteses altamente corroboradas e bem fundamentadas. Atentaremos-nos a isso em algum outro texto. Este aqui tratará da diferença entre um fato do dia-a-dia e um fato científico. Para isso, peço que o leitor considere os dois grupos de afirmações a seguir:

Grupo 1: “Joãozinho andou de bicicleta ontem”. “A filha de Maria nasceu dia 5/12”. “O Flamengo ganhou o Brasileirão”.

Grupo 2: “A Terra gira em torno do Sol”. “Todas as espécies têm um ancestral comum”. “A Terra tem 6 bilhões de anos”.

Quais as diferenças entre os dois grupos de sentenças? O Grupo 2 contêm apenas afirmações científicas que são bastante aceitas atualmente, enquanto o Grupo 1 consiste de afirmações sobre acontecimentos cotidianos. Se olharmos um pouco mais a fundo, podemos perceber que as diferenças não param por aí, e passam pela questão fundamental que diferencia um acontecimento científico de um não-científico. Para perceber essa diferença, analisemos os grupos separadamente:

Grupo 1: O Flamengo ganhou o Brasileirão. Ponto. É um fato. Se você torce por outro time e não gostou do resultado, azar o seu! Não há nada que você possa fazer, pois esse fato é imutável. Por toda a eternidade ficará constado que o campeão brasileiro de 2009 foi o Mengão. Da mesma forma, a filha da Maria nasceu dia 5 de dezembro. Ponto. Pelo resto da vida, é nesse dia que ela comemorará seu aniversário. Nada pode mudar o dia em que ela nasceu.

Grupo 2: A Terra tem 6 bilhões de anos. Pelo menos até encontrarem uma rocha mais antiga que isso. Além disso, não faz muito tempo que esse fato (?) foi aceito. Na verdade, existem pessoas – e não são poucas – que acreditam que o mundo não tem mais do que 6 mil anos. De forma semelhante, as voltas que a Terra dá em torno do Sol nem sempre foram um fato. Antes era fato que o Sol girava em torno da Terra.

Percebe-se que os fatos do Grupo 1 têm duas características bem claras: são inquestionáveis e imutáveis. A mãe do Joãozinho pode não gostar nem um pouco do fato dele ter andado de bicicleta ontem, mas ele andou, e acabou. Ela pode deixar ele de castigo, mas não pode mudar o fato. Já no Grupo 2, os fatos tem propriedades bem diferentes: estão sempre abertos à discussão e podem mudar.

Essa análise simples nos permite perceber uma propriedade importante dos fatos científicos: ao contrário dos fatos do cotidiano, eles nunca são verdades por si mesmos, mas dependem do que vai acontecer com eles nas mãos dos outros. Não existem “verdades absolutas”. Um fato é apenas alguma coisa que uma grande quantidade de pessoas da área aceita como verdadeira, e essas coisas são negociáveis, e mudam ao longo do tempo.

Isso é um pouco difícil de enxergar quando olhamos para fatos já bastante consolidados como a ancestralidade das espécies ou a heliocentricidade do sistema solar, mas fica fácil se olharmos para um fato que está em construção. Peguemos o exemplo do ovo. Comer ovo faz bem ou faz mal? Uma semana é “fato” que ovo aumenta o colesterol e faz um grande estrago no corpo, na outra, é “fato” que ele é um alimento muito rico que pode ser consumido sem restrições.

Na Ciência os fatos mudam porque eles não são nada por si mesmos, mas dependem da quantidade de pessoas que acreditam nele. Na medida em que os cientistas vão coletando mais e mais evidências para defender o seu ponto de vista, eles vão puxando o fato mais para o seu lado, mas isso não os torna mais verdadeiros, apenas mais aceitos. Uma nova descoberta ou uma nova estrutura conceitual (Revolução Científica) pode mudar a veracidade de muitos fatos. Assim, quando falamos de fatos cotidianos, estamos falando de acontecimentos, mas quando falamos de fatos científicos, estamos falando de pessoas e de suas “crenças”, por mais bem embasadas que essas “crenças” possam estar. Pessoas podem duvidar que o mundo tenha 6 bilhões de anos, mas ninguém pode duvidar que o Flamengo ganhou o campeonato.

Como conseqüência, temos que se um cientista faz uma pesquisa e propõe um novo fato que outro cientista não gostou, esse outro cientista pode contra argumentar, e, se vitorioso, mudar o fato. Isso abre margem para que interesses externos manipulem os fatos científicos. Fritjof Capra já dizia que boa parte dos fatos na área médica está permeada por interesses das indústrias farmacêuticas.

Essa negociabilidade dos fatos científicos pode parecer bem esquisita para quem é de fora, mas, em contrapartida, é uma das características que torna a Ciência tão interessante, e que fez pensadores como Kuhn e Popper fritarem os neurônios para tentar entender como se dão essas negociações e como os fatos são construídos e desconstruídos ao longo do tempo.