Hermetismo científico.

outubro, 2008

O trabalho de divulgação científica consiste, a grosso modo, em tornar a linguagem complexa da ciência acessível para qualquer pessoa. Ninguém questiona a importância de se divulgar ciência, evidentemente. Mas se é tão importante tornar a ciência compreensível, por que a atividade científica já não é feita desta forma?

É fácil perguntar, o difícil é responder. Historicamente, todo o conhecimento humano resultante de qualquer atividade mais complexa, dificilmente era acessível para a população. Pode-se especular alguns motivos para este fato.

Talvez a própria natureza do objeto de estudo seja extremamente complexa. De modo que descrever tal objeto de forma acessível não seja tarefa das mais fáceis, embora certamente não seja impossível. Além disso, um objeto de estudo qualquer pode requerer conhecimento técnico prévio, o que dificulta ainda mais o acesso a este corpo de conhecimento.

Um outro motivo pode ser político. Privar grandes populações de conhecimento pode servir como medida de controle. Há mais de um caso na história que demonstra justamente este processo.

O fato é que atualmente a ciência se desenvolve em um ritmo frenético, praticamente impossível de se acompanhar. Além disso, a forma atual de se anunciar um trabalho científico é através de um artigo técnico complicado, destinado aos colegas de mesma área, em geral em inglês. Quando publicado em revistas especializadas, o artigo ainda sofre restrições de copyright. Não parece haver aqui nenhuma preocupação com o acesso facilitado ao conhecimento.

Todos estes fatores tornam a ciência moderna uma atividade hermética. A situação se complica ainda mais quando entramos no mérito da qualidade do leitor ou interessado, fora o fato de que nem todo cientista vê com bons olhos o trabalho de divulgação ou jornalismo científico.

O caso é que é importante que a ciência seja acessível a todos. A divulgação científica realiza um grande serviço neste sentido, mas o ideal seria ter uma ciência que fosse naturalmente mais “amigável”. Não se trata apenas de popularizar o empreendimento científico, mas de prestar contas à sociedade sobre os rumos que o mundo pode tomar.