Positivismo, Ciência e progresso: Uma provocação.

abril, 2010

A Promessa

No final do século 18, a maior parte dos cientistas responsáveis pela grande revolução científica européia, como Descartes, Galileu e Newton já haviam morrido, mas seu legado permanecia, e a Ciência ocidental continuava passando por um período muito fértil. No entanto, ela ainda era vista como apenas mais uma forma de conhecer a natureza, e não como a melhor forma de fazê-lo. A Ciência ainda não tinha o poder de legitimar o que era verdade e o que não era, já que o misticismo e o conhecimento religioso ainda tinham um grande poder explicativo na sociedade. Nesse contexto surgiu uma corrente filosófica de afirmação do conhecimento científico como sendo o único conhecimento autêntico e, mais do que isso, do homem (e não Deus) como sendo o produtor desse conhecimento. Ou seja, o positivismo é uma corrente filosófica que nos redime do pecado original de Adão e Eva e, mais do que isso, prega que temos mesmo que nos banquetear na Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

August Comte (1798-1857), o “pai do positivismo”, escreve a obra que inaugura essa corrente filosófica, o Curso de Filosofia Positiva. Nesse livro, Comte formula sua Lei dos Três Estados, que parte do princípio de que a humanidade está evoluindo, avançando de uma época bárbara e mística para outra civilizada e esclarecida. Comte explica que essa evolução intelectual humana tem três fases muito bem definidas: a fase teológica, em que todos os fatos são explicados pelo sobrenatural (Deus); a fase mística ou metafísica, em que o homem começa a pesquisar a realidade, mas ainda com um viés sobrenatural muito forte (criam-se categorias alegóricas como “a Natureza”, “o Povo”, etc.); e a fase científica ou positiva, que seria o apogeu do intelecto humano. Os outros dois estados do conhecimento são apenas degraus pelos quais a humanidade teve que passar para atingir o estado mais elevado, em que o homem explica os fenômenos naturais por leis gerais que ele mesmo descobre a partir do estudo da natureza.

Dessa forma, para os positivistas o progresso da humanidade estaria intimamente relacionado com o progresso da Ciência. O conhecimento positivo (a Ciência) é o auge da evolução intelectual humana, então devemos investir nesse tipo de conhecimento e abandonar de vez a teologia e a metafísica, pois somente o conhecimento positivo poderá tirar a humanidade da ignorância e da superstição e colocá-la no caminho do progresso.

A Aposta

Por algum motivo, Comte e seus seguidores foram ouvidos. Foram muito ouvidos. O positivismo ganhou muita força. O lema positivista está estampado em nossa bandeira nacional, que diz “Ordem e Progresso”. A humanidade apostou boa parte de suas fichas na idéia de que para progredir seria necessário investir na Ciência.

Alguns séculos depois, aqui estamos. Agora temos satélites monitorando nosso planeta e chegamos à Lua. Temos super computadores com internet e carros ultra velozes. Seqüenciamos o DNA dos organismos e trocamos genes entre eles. Temos geladeira, microondas, ar condicionado, chuveiro quente, telefone celular, GPS, viajamos de avião e freqüentamos cinemas 3D. Fizemos descobertas médicas que aumentaram bastante a nossa expectativa de vida. Certamente temos uma vida muito mais confortável do que Comte e seus contemporâneos tiveram, e isso é fruto do investimento que a humanidade fez na Ciência.

Progresso?

Mas, será que podemos dizer que a humanidade progrediu? Não podemos esquecer que enquanto alguns fazem fila para comprar o iPad no primeiro dia, mais da metade da população da Terra não tem saneamento básico. Andamos nas ruas e vemos pessoas sem comida, sem teto, sem escolaridade e sem esperança. O que é o progresso da humanidade? Ser capaz de inventar robôs que deixam milhões de pessoas desempregadas? Inventar tranqueiras supérfluas que menos de 10% da população mundial tem dinheiro pra comprar? Às vezes me parece que os bons e velhos índios, que andavam descalços na mata e não tinham energia elétrica estavam muito na nossa frente em termos de “progresso humano”.

A pergunta que fica é: será que valeu a pena? E, se valeu, será que ainda vale a pena continuar investindo bilhões de dólares todo ano e sacrificar milhares de espécies e habitats para que a Ciência continue avançando? Aparentemente os positivistas estavam errados. O investimento no conhecimento científico não trouxe progresso pra humanidade (se entendermos que a humanidade consiste de todos os seres humanos, e não somente daqueles que têm boas condições econômicas). Talvez, inclusive, tenha agravado ainda mais as desigualdades e reforçado alguns preconceitos. Será que não está na hora de procurar uma outra forma de progredir? Porque eu não acho que uma sociedade que tem gente morrendo de fome possa ser considerada uma sociedade evoluída, não importa quão poderosos seus computadores sejam.