O fim do universo.

agosto, 2008

Discutir sobre a natureza do Universo é provavelmente uma das mais antigas atividades do homem. E não poderia ser diferente. Por definição, nada pode ser estruturalmente maior ou mais complexo. Eu me arrisco a dizer que nada pode ser sequer mais filosoficamente complexo. E no meio de toda essa complexidade, uma das perguntas mais curiosas que se pode fazer é: irá o Universo chegar a um fim?

Embora provavelmente exista todo o tipo de resposta para esta pergunta. Vamos trabalhar com duas que são diametralmente opostas. A primeira toma por base um modelo de Universo infinito e a outra um modelo finito.

Em um modelo infinito a resposta é evidente. Algo infinito não pode ter um fim, assim como provavelmente nunca teve um começo. Por mais controverso que isso possa parecer, é uma pequena questão de lógica. Um Universo infinito nunca começou e nunca vai terminar porque sempre existiu. E se sempre existiu, continuará existindo sempre.

Já com um modelo finito a questão é mais complexa e envolve um pouco de conhecimento sobre a origem do Universo. Hoje em dia a hipótese mais aceita sobre este começo é o famoso Big Bang. Uma imensa explosão, que deu origem ao tempo e ao espaço e a tudo o que conhecemos. Um bom suporte para esta hipótese é o movimento de expansão do Universo.

Universo em Expansão. Clique para ampliar.

Universo em Expansão. Clique para ampliar.

Sabemos que ele esta se expandindo, o que significa que os planetas, estrelas, galáxias e tudo o mais está se afastando e um ritmo mais ou menos conhecido. Se assim o é podemos imaginar dois destinos finais para o Universo. No primeiro deles o movimento de expansão agiria por um tempo incomensurável, fazendo com que tudo fique tão inimaginavelmente distante que o universo se transformaria em um lugar vazio e gelado.

A outra possibilidade aparenta ser ainda mais terrível. Alguns cientistas acreditam que existe um tipo particular de matéria que não pode ser vista, a matéria escura, e que ela constituiria a maior parte do Universo. Se isso for verdade, assim que a força daexpansão começar a diminuir, os corpos formados pela matéria convencional seriam afetados pelo campo gravitacional da matéria escura. O resultado seria uma espécie de efeito reverso.

Isso significa que o Universo que hoje está em expansão pode começar a se retrair. E se assim o for, a retração iria fazer com que todo o Universo volte a se condensar em um único ponto, gerando uma espécie de novo Big Bang.

Algo me consola nesta história, o tempo necessário para que cada um destes eventos catastróficos ocorra é tão grande, que dificilmente existirá qualquer ser humano vivo pra ver.