O Time Lord que viajou no tempo (e no espaço).

janeiro, 2012

O filme Contato, adaptação da obra de mesmo nome escrita por Carl Sagan, tem uma sequência inicial memorável.

Basicamente vemos a Terra do espaço e ouvimos todo o caos das transmissões de rádio e televisão vindo do planeta. A imagem então começa a se afastar do planeta e a medida em que vamos viajando através do sistema solar, vamos também viajando através do tempo, ouvindo transmissões cada vez mais antigas até que tudo o que nos resta é o silêncio absoluto de um universo que não faz a menor ideia de que na terceira pedra depois de uma inexpressiva estrela, existe um monte de criaturinhas bípedes que  escutam o espaço na esperança de ouvir a história de outra civilização com o mesmo habito dionísico de gravar os próprios ruídos para que outros o apreciem.

No filme esta cena tem o papel fundamental de explicar para o espectador em três minutos que 1- transmissões de rádio e televisão feitas na Terra viajam para fora do planeta, 2- estes sinais viajam próximo à velocidade da luz e 3- é possível acompanhar toda a história televisionada ou radiodifundida da humanidade caso você possa se mover mais rápido do que estes sinais ou viva em um planeta que esteja no meio do caminho deles.

Este conceito é importante pro filme por que no final do primeiro ato ele é invertido, somos nós que recebemos um sinal alienígena (com um pequeno plot twist que eu não vou estragar dando spoilers, vá correndo assistir Contato).

Doctor Who?

Acontece que em 2009 algo muito semelhante aconteceu na vida real mesmo, o que torna o caso todo muito mais interessante. Não, não recebemos sinais alienígenas, embora existam alienígenas nos sinais.

Explico. O radiotelescópio de Arecibo (que é o mesmo radiotelescópio que aparece no começo do filme Contato) começou a detectar sinais de VHF vindos do espaço. Segundo o Dr. Venn, que é o radioastrônomo que detectou tais sinais, eles eram claramente sinais antigos de tv aqui da Terra mesmo, mas estranhamente estavam vindo de um ponto no espaço.

Para o Dr. Venn era evidente o que estava acontecendo, sinais com quase 50 anos de idade viajaram 25 anos luz para longe da Terra e rebateram em algo que os mandou de volta para nós.

Ninguém sabe ao certo o que estava no caminhos dos sinais. Na época até a Nasa apontou o Hubble para o local, sem sucesso em obter qualquer dica do que está refletindo os sinais de volta para nós. A teoria é a de que existe uma nuvem de asteroides funcionando como uma espécie de espelho.

Ah sim! Já ia me esquecendo da parte alienígena nessa história toda. Acaba que os sinais de televisão detectados eram da programação de 50 anos atrás da BBC inglesa e, entre outras coisas, o sinal continha episódios perdidos da série Doctor Who.

O caso é que por alguma razão as redes de televisão não pensavam na possibilidade de fazer reprise de seus programas e uma série de conteúdo se perdeu, incluindo episódios antigos de  uma série de televisão sobre um alienígena com dois corações que viaja no tempo em uma cabine de polícia azul que, graças à um pouco de ciência, um radiotelescópio e um cientista com um nome maneiríssimo, foram recuperados e digitalizados.

Só eu me divirto com a ironia dessa história?

 

Bow ties are cool!!