Antropomorfismo e antroponegação.

março, 2008

“Uma nova pesquisa sugere que as formigas são traiçoeiras, egoístas e corruptas, contrariando a imagem de insetos de convivência harmoniosa e com pré-disposição para colocar o bem da comunidade acima de preocupações pessoais”. Este é o primeiro parágrafo da notícia veiculada via G1. A despeito das informações referentes à pesquisa desenvolvida com as formigas, a reportagem incorre em um erro bastante comum. O chamado antropomorfismo.

O antropomorfismo consiste no ato de atribuir características humanas a qualquer animal. Usando o próprio texto do G1 como exemplo, podemos observar que o autor acusa as formigas de serem “traiçoeiras”, “egoístas” e “corruptas”, valores humanos criados para definir traços comportamentais típicos de nossa espécie. A questão é que, apontar traços humanos como resultado de uma pesquisa sobre formigas não é correto.

Observar o comportamento animal não é exatamente uma novidade. Por vezes eles se comportam de maneira muito semelhante à nossa, advém disso usarmos características humanas para nomear determinados comportamentos em animais. No entanto, não se pode afirmar que um animal esteja sendo “corrupto”, só porque determinado comportamento se parece com a corrupção na humanidade.

Paradoxalmente existe um outro princípio conhecido por antroponegação. Este princípio atesta, que não podemos negar aos animais características humanas. Ou seja, não podemos dizer que os animais não possuem comportamentos egoístas, ou de corrupção. Mas, se não podemos negar uma característica humana nem podemos atribuir características humanas, como resolvemos?

A resolução é simples. Cabe a nós apenas observar o comportamento e deixar de lado qualquer interpretação sobre a natureza deste comportamento. Se observamos formigas operárias beneficiando seus próprios ovos em detrimento dos ovos da rainha, devemos nosater à descrição do comportamento sem que nenhuma interpretação seja realizada. Em verdade, só podemos interpretar o comportamento em um nível básico, na tentativa de compreender a importância evolutiva que ele possui.

O Planeta dos Macacos

março, 2008

O filme “O Planeta dos Macacos” de 1968, é um clássico do cinema que levanta algumas questão absolutamente relevantes sobre ciência, religião e o desenvolvimento da sociedade. O enredo simples, astronautas que chegam a um planeta governado por macacos inteligentes, é enriquecido com todo tipo de crítica e análise da sociedade humana da época. O curioso é o filme continua atual, especialmente na abordagem que faz de ciência versus religião, demonstrando que por mais que a sociedade humana tenha avançado tecnológicamente, as discussões sociais seguem inalteradas.

A religião científica do Planeta dos Macacos.

No filme, religião e ciência são tomadas por atividades entrelaçadas. Há um motivo evidente, a religião preocupa-se com a manutenção da sociedade dos macacos, guiando a ciência de maneira a permitir o avanço tecnológico sem a perda dos valores sociais. Um movimento religioso que controla a ciência com mãos de ferro a ciência, é certamente a vontade de muitas religiões existentes hoje.

No entanto, a religião é desenvolvida como uma forma de controle totalitário. Sob os olhares da fé, humanos passam por testes e experimentos científicos cruéis. São tratados como escravos que não possuem uma alma a ser preservada. Curiosamente, pesquisas que tentam desvendar a história perdida da origem dos macacos, são mal vistas e consideradas heréticas. A ciência, antes de qualquer coisa, deve respeitar as escrituras.

A evolução no Planeta dos Macacos.

Este é um dos pontos fortes do filme. Um macaco paleontólogo desenvolve uma teoria da evolução , atestando que todos eles são descendentes dos humanos primitivos. A inversão de papéis no roteiro do filme, não inverte o impacto da teoria na sociedade símia em relação a nossa. De maneira idêntica, a religião não aceita a teoria e condena o o macaco por heresia. No entanto, diferente do que as religiões humanas pregam, a dos macacos sabia exatamente sua origem e evolução.

Os macacos não evoluíram do homem. São fruto de uma sociedade humana falida, cujos poucos exemplares restantes “involuíram” em formas primitivas, permitindo então o avanço evolutivo dos macacos. Uma vez que os macacos atingiram sua maturidade intelectual, perceberam os motivos do fim da sociedade humana, desenvolvendo então um agente de controle com o objetivo de frear a ciência e evitar um fim trágico parecido.

Uma análise do Planeta dos Macacos.

É evidente que o filme toma a sociedade de 1968 e extrapola seus receios. O medo de um planeta Terra destruído e a redução drástica das sociedades humanas, era fruto da uma recém terminada guerra fria. As duas grandes guerras ainda estavam vivas no consciente coletivo, e os Estados Unidos se lançavam em guerra com o Vietnã. No mesmo período, a ciência se desenvolveu rapidamente, impulsionada pelos investimentos militares.

Era um mundo caótico e perigoso, refletido de maneira bastante inteligente no filme. A decisão de tornar os macacos tecnológicamente inferiores à sociedade humana que os precedeu, joga no colo da ciência a responsabilidade pelo uso incorreto do conhecimento. Por outro lado, atrelar a ciência a uma religião moralmente discutível e que reflete a organização social da idade média, reforça que nem mesmo a religião pode salvar a humanidade.

É um filme pessimista. Que atesta que o mal da humanidade são os próprios humanos. Hoje em dia é difícil acreditar em uma guerra catastrófica que culminará no fim quase que completo de nossa espécie, no entanto, podemos imaginar uma série de eventos naturais igualmente catastróficos. Todos possivelmente produzidos pela maneira leviana como tratamos os recursos naturais deste planeta.

Talvez não estejamos tão longe assim do Planeta dos Macacos

Um pouco de fé na ciência.

março, 2008

Com determinada freqüência, algumas pessoas costumam dizer que acreditar na ciência é um ato de fé. Um ato de fé talvez comparado ao ato de acreditar em um Deus, ou um santo. O curioso é constatar que este pode ser um pensamento comum mesmo aos cientistas. Não tão curioso é o uso do termo fé de maneira pejorativa, muitas vezes até por pessoas religiosas, de modo a diminuir a importância da ciência.

Segundo o dicionário, o termo fé poderia ser utilizado em ciência em pelo menos duas acepções. Como em confiança absoluta em alguém ou algo, ou como comprovação de um fato. Embora o próprio método científico evite “confianças absolutas”, com efeito é possível atestar esse tipo de fé para alguns casos em particular. Por exemplo, no que diz respeito à gravidade, quem seria capaz de questionar que ao soltar uma pedra no ar ela vai, irremediavelmente, cair ao chão? Ainda tomando a gravidade como base, é possível estabelecer a velocidade de queda dessa pedra, bem como sua trajetória. A mecânica clássica é um campo científico capaz de prever esse tipo de informação com uma precisão tão assustadora, que podemos confiar em seus resultados de maneira absoluta.

De maneira análoga, e partindo dos mesmos princípios, muitos são os casos aonde é possível comprovar um fato. Embora neste sentido de fé as ressalvas sejam maiores, alguns fenômenos são tão bem conhecidos e estudados que, de certa forma, é possível dizer que foram comprovados. As ressalvas ficam por conta da impossibilidade de se dizer que sabemos tudo a respeito de um objeto de estudo.

O que me intriga de verdade é o uso da palavra fé, em sua forma pejorativa. É estranho observar que muitas vezes, essa fé pejorativa se sustenta no conceito de “fé cega”. Ou seja, de uma fé que se sustenta pela força da crença do fiel, ainda que não possa ser respaldada por qualquer tipo de observação ou teste. Com efeito, esse tipo de fé é melhor observado em pessoas religiosas, e neste contexto, eu nem atribuiria uma forma pejorativa para essa fé.

No entanto, essa fé religiosa é usada com certa regularidade para atingir o empreendimento científico. Neste contexto pode-se dizer que ela passa a ser pejorativa, já que deprecia a qualidade investigativa da ciência. É importante lembrar que a ciência não é feita de dogmas imutáveis, produzidos de maneira arbitrária e sem qualquer rigor. O que não falta à ciência é rigor, seja pelo racionalismo de Descartes, seja pelo empirismo de Locke, Berkeley e Hume.

Diminuir a ciência a uma atividade guiada pela crença irresponsável, ou que não necessita de bases sólidas, é ignorar tudo o que foi construído desde o renascimento.

Células tronco: Um breve comentário.

março, 2008

E a votação ficou pra depois. Não acompanhei o caso com detalhes, mas gostei do que andei lendo.

As argumentações foram sérias. Gostei da proposta de usar embriões que estão congelados a mais de três anos e somente com a autorização dos pais(?). É uma saída digna e protege o direito das pessoas que são contra a destruição dos embriões para obtenção das células tronco.

Vamos esperar e torcer, a liberação do uso de células tronco embrionárias em pesquisas pode ser de importância crucial para o Brasil.

O pulmão das baleias.

março, 2008

Algumas espécies de animais são particularmente interessantes no que diz respeito a demonstrar características da seleção natural. Dentre os muitos exemplos, as baleias são as que mais me chamam a atenção. Não pra menos, é curioso imaginar um animal que vive na água mas precisa voltar à superfície para respirar. Por que a evolução simplesmente não se encarregou de dar brânquias para as baleias?

Esta é uma ótima pergunta e que ilustra bem a característica não guiada da seleção natural. Como eu já havia dito em textos anteriores, a evolução não tem um fim, um sentido, um objetivo para cumprir. Trata-se de um processo lento e gradual, que seleciona características que aumentam o sucesso reprodutivo e a expectativa de vida dos seres em determinados ambientes. Existe um grande obstáculo para esse processo, ele só pode trabalhar em estruturas que já existem. Em outros termos, o processo de evolução não “constrói” nenhuma estrutura nova, a não ser por modificação das estruturas que já existem.

Uma característica muito marcante deste processo é que ele passa a ser irreversível. Quando uma estrutura é modificada, as chances de ela voltar a ser o que era originalmente são praticamente inexistentes. Essa particularidade nos fornece uma dica sobre o pulmão da baleia. Acredita-se que os ancestrais dos tetrápodes sejam peixes pulmonados, animais que possuem sua origem em peixes de respiração por brânquias. Imaginemos então que, em algum momento da história da vida na Terra, algumas espécies de peixes sofreram um processo evolutivo que culminou na formação de um pulmão primitivo em detrimento das brânquias.

Ora, as baleias são mamíferos e estão classificadas como tetrápodes. Se assim o é, tiveram como descendente mais distante peixes que já não possuíam brânquias. Portanto, os passos evolutivos que resultaram nas baleias não possuíam mais a opção de trabalhar com brânquias, a solução mais simples era modificar as estruturas atuais para permitirem longos períodos de submersão. O problema foi resolvido com modificações no metabolismo e ampliação do tamanho do pulmão.

Uma outra característica das baleias que demonstra esse processo é a maneira como elas nadam. Em geral, os peixes possuem uma barbatana caudal, que impulsiona o animal realizando movimentos horizontais. Nas baleias o movimento da cauda é feito verticalmente, uma modificação diretamente ligada ao modo de vida terrestre de seus ancestrais quadrúpedes.

Como já havia observado o mestre Stephan Jay Gould, a evolução não se prova na formação de órgãos perfeitos e formas bem trabalhadas. Sua verdadeira beleza se encontra na maneira improvisada de solucionar grandes problemas.

Adaptação: Evolução (post scriptum)

março, 2008

O processo adaptativo, inerente à especiação e evolução das espécies é de longe o tema mais complexo da Evolução. Nem tanto pelo processo em si, mais pelo significado culturalmente concebido, e amplamente mal atribuído, da palavra adaptação na tentativa de explicar as teorias evolutivas de Lamarck e Darwin.

Culturalmente adaptar-se a uma determinada situação significa ajustar-se, adequar-se, acostumar-se a ela, modificar-se voluntariamente para atingir o objetivo proposto, enquadrar-se em um sistema, em um meio. Adaptação significa ajustamento às novas condições impostas pelo meio.

Conforme já detalhado nos textos anteriores, Lamarck juntou evidências para explicar que os animais sofriam pressões ambientais que os forçavam a modificar suas estratégias de vida, e consequentemente suas características morfológicas, como sendo a única maneira de sobreviver no ambiente aos quais estavam inseridos. Ficou claro então que os indivíduos se adaptavam, no sentido literal da palavra, ao meio ambiente conforme este lhes exigia.

Entretanto Darwin, a partir de suas evidências, considerou a existência de mais uma força que modificava os seres vivos, interna agora, responsável por promover mudanças orgânicas. Porém ele também manteve a idéia da força externa produzida pelo meio ambiente conforme Lamarck já havia dito. Mais do que isto, ele percebeu que o equilíbrio destas duas forças era o responsável pela seleção natural e, portanto, pela adaptação dos seres vivos.

É justamente neste ponto que Darwin não colaborou em suas explicações e é frequentemente mal interpretado. Ele deixou que se compreendesse que a adaptação dos seres vivos fosse um processo no qual a modificação interna ficasse subentendida no conceito.

Assim ele sugeriu que as modificações internas, sujeitas à força externa do ambiente eram responsáveis pela seleção natural e, portanto pela adaptação e sobrevivência dos indivíduos em determinado meio ambiente. Desde que a modificação interna fosse compatível com a força externa o indivíduo seria selecionado naturalmente e sobreviveria, sendo considerado mais apto. Caso contrário, se a modificação interna não fosse compatível com o ambiente, o indivíduo detentor desta modificação não era selecionado, era considerado menos apto e morria sem perpetuar sua prole e, portanto, sua espécie.

É importante notar que tal efeito não dependia exclusivamente da capacidade de adaptação no sentido literal da palavra, não cabia aos indivíduos querer escolher ajustar-se ao ambiente apenas. Era necessário que a modificação interna tivesse acontecido, e mais do que isto, que esta mudança, sob ação da força externa, fosse selecionada como apta ao ambiente.

Infelizmente Darwin e Mendel não se conversaram, muito embora há quem diga que eles tenham trocado algumas figurinhas sem obter a compreensão da interferência positiva que um poderia ter provocado nas idéias do outro e vice-versa. Mendel teria dito à Darwin que a modificação interna era na verdade uma modificação nos fatores, nome atribuído por Mendel ao que mais tarde viria a ser conhecido por genes.

A teoria sintética da evolução, também conhecida por síntese evolutiva moderna, síntese moderna, síntese evolutiva, síntese neodarwiniana ou neodarwinismo, foi formulada a partir da contribuição de muitos pesquisadores modernos que se apropriaram dos conhecimentos da genética mendeliana e populacional para elucidar o processo evolutivo.

Nem por isso a palavra adaptação deixou de ser empregada pelos novos evolucionistas, e continua sendo utilizada para referir que primeiramente ocorre uma mutação genética que é posteriormente selecionada pelo meio ambiente. Atualmente compreende-se que um indivíduo ou espécie adaptada ao meio é aquele cuja mutação genética aleatória, ou não, lhe foi favorável o suficiente para que o ambiente o selecionasse natural ou artificialmente, permitindo sua sobrevivência. O que é muito diferente de meramente imaginarmos que os seres vivos simplesmente se adaptem, ajustem, acostumem a uma nova situação, ou ambiente, por vontade própria.

Os 22 paradigmas de Thomas Kuhn.

fevereiro, 2008

Muitas vezes pode parecer incongruente, mas a ciência muda. Não são raros os momentos em que teorias muito bem estabelecidas, são completamente abandonadas em detrimento de outra. Da mesma forma, outras tantas teorias são fortemente modificadas com o decorrer dos anos, de modo que tornam-se substancialmente diferentes do que eram originalmente. Essa aparente falta de firmeza nas idéias científicas, contrasta diretamente com a visão popular de que a ciência é um empreendimento de verdades e certezas. Não é.

O físico Thomas Kuhn dedicou parte de sua vida tentando entender esse movimento transformador da ciência. Em 1962 Kuhn publicou “A Estrutura das Revoluções Científicas”, um ensaio polêmico que usava uma abordagem histórica para defender que a ciência gera paradigmas que, eventualmente, são substituídos por outros no decorrer do desenvolvimento científico. Mas vamos entender melhor essa questão.

A definição de paradigma de Kuhn gerou confusão quando da publicação da primeira versão do livro. Com efeito, uma leitora chegou a dizer que o termo é usado de 22 maneiras diferentes. Kuhn no entanto só admitia dois significados principais. Neste texto iremos abordar apenas um significado. O paradigma é um modelo de mundo que compreende o conjunto de teorias que buscam explicar os fenômenos estudados.

Neste caso o que um paradigma faz é estabelecer algumas questões sobre o mundo físico que são então investigadas na tentativa de se encontrar respostas. No entanto, um paradigma parece nunca conseguir responder todas as questões que propõe. A ciência não é um empreendimento de respostas. Quanto mais sabemos sobre determinado fenômeno, mais questões surgem. Isso não é exatamente um problema, ao menos não inicialmente. Esse processo investigativo é o que Kuhn chamou de “ciência normal”, ou seja, o período aonde determinados paradigmas são aceitos e investigados.

O que se passa é que o número de questões, ou anomalias, que não podem ser resolvidas com o paradigma estabelecido atinge níveis críticos, é o início do período conhecido por “crise”, aonde novos paradigmas tentam responder de maneira mais eficiente as questões que o paradigma aceito não consegue responder.  O período de crise é marcado pela divisão da comunidade científica entre o paradigma aceito e o paradigma em ascensão. Eventualmente o paradigma em ascensão ganha a preferência e substitui o antigo, é o momento que Kuhn chamou de “revolução científica”.

É evidente que eu resumi bem o núcleo do trabalho de Kuhn. Em geral o processo de ascensão e queda de um paradigma é complicado, leva tempo e gera discussões infindáveis. Quando um novo paradigma é proposto, em geral não é bem aceito pela comunidade científica. A razão, segundo Kuhn, é o comprometimento com o paradigma estabelecido. Quando anomalias são detectadas, os cientistas não tendem a considerar a questão como um problema no paradigma. Buscam adequar a anomalia ou simplesmente a ignoram como um fator que não pode ser melhor estudado no momento. No entanto, o acumulo constante dessas anomalias podem gerar o descrédito do paradigma, o que em geral ocorre nos cientistas mais jovens e menos comprometidos com o modelo de mundo estabelecido.

Kuhn ainda defende o que ele chamou de “princípio da incomensurabilidade”. O princípio define que paradigmas diferentes estabelecem uma visão muito distinta de mundo, de modo que não podem ser comparados. Isso não significa que o novo paradigma é melhor que o anterior, apenas estabelece que eles são em geral incompatíveis. No entanto, se o paradigma em ascensão não é necessariamente melhor que o paradigma já estabelecido, qual a justificativa para a substituição do velho paradigma pelo novo?

As razões são as mais variadas. Eventualmente o novo paradigma pode responder com mais eficiência um número de questões maior que o anterior, ainda que não responda parte das questões já resolvidas pelo velho paradigma. É um processo curioso, aonde parte do conhecimento já conquistado é abandonado. O novo paradigma, ainda que não resolva tantas questões quanto o anterior, pode responder questões que tenham maior prioridade para a ciência. Essas prioridades mudam de acordo com a sociedade e época, de modo que o novo paradigma pode ser substituído no futuro por um velho paradigma.

É justamente este ponto das idéias de Kuhn que provoca desconforto em alguns membros da comunidade científica. É possível imaginar que o empreendimento científico é arbitrário, escolhendo seus modelos de mundo não por sua capacidade em explicar os fenômenos estudados, e sim por conveniência ou por interesses. Mas isso não é bem verdade, mudar de paradigma não é como trocar de posição política.

Uma analogia melhor seria dizer que mudar de paradigma é como escolher uma nova ferramenta para realizar um velho trabalho.

Evolução: O sucesso de uma teoria.

fevereiro, 2008

Não foi de imediato que a teoria evolutiva darwiniana foi aceita. Muito pelo contrário, Darwin foi muito discutido e questionado até atingir seu status atual de teoria bem estabelecida. Não poderia ser diferente, é assim que a ciência funciona. Teorias tão revolucionárias ganham crédito com o tempo, demonstrando seu incrível poder preditivo e respondendo o máximo de questões possíveis para os problemas que a própria teoria levanta.

Nos séculos seguintes, a seleção natural ganhou suporte da genética, especialmente com os trabalhos do mestre Dobzhansky. É a teoria evolucionista moderna, conhecida como neodarwinismo, que compreendeu pela primeira vez  o valor evolutivo das mutações e os mecanismos pelo qual eles ocorrem. Ao mesmo tempo, a evolução continuou gerando desafetos. Basta lembrar de alguns casos mais extremos, como o de pessoas vinculadas a movimentos religiosos tentando banir a teoria evolutiva dos currículos escolares dos Estados Unidos.

Por vezes os argumentos contra a evolução são  pouco fundamentados. Já sofreu a acusação de ser “apenas uma teoria”. Nada mais ingênuo. A evolução, o processo que modifica  geneticamente os seres vivos, é um fato inegável.  A teoria consiste na explicação de como esse processo se dá, bem como suas implicações. Ainda assim, para a ciência, teoria é o maior status que uma idéia pode ter. Também já se tentou argumentar que a evolução vai contra uma das leis da física, mais especificamente contra a termodinâmica. Mais uma vez, trata-se de um argumento pouco fundamentado. Fora a hipótese do Design Inteligente, que se pretende a substituir a evolução darwiniana sem jogar nas mesmas regras, as regras do método científico.

O fato é que a teoria da evolução é um dos grandes pilares da ciência. Um assunto tão complexo não pode ser esgotado em uma série de textos, muitos outros virão. No entanto, espero ter conseguido transmitir ao menos o básico do assunto, e que tenha sido o suficiente para desfazer alguns mitos e dúvidas a respeito do assunto. Se não foi o caso, não hesitem em deixar as dúvidas, críticas e sugestões na caixa de comentário ou por email.

Evolução: Especiação.

fevereiro, 2008

Especiação é o termo utilizado para definir o processo que resulta no surgimento de uma nova espécie a partir de uma espécie já estabelecida. Antes no entanto é preciso definir espécie, para tal usaremos o conceito de um famoso biólogo evolucionista, Theodosius Dobzhansky. Os indivíduos de determinados grupos devem respeitar algumas observações para poderem ser considerados como membros de uma mesma espécie. Em ambiente natural, devem possuir períodos reprodutivos compatíveis, gerarem descendentes férteis e não estarem geograficamente separados. Por exemplo, ursos polares e ursos pardos quando cruzados geram descendentes férteis, no entanto estão geograficamente impedidos de se reproduzirem de modo a se caracterizarem espécies diferentes. Cavalos e burros podem se reproduzir, mas dão origem a descendentes estéreis, ou seja, também são caracterizados como espécies distintas.

Em algumas ocasiões, grupos de indivíduos de determinada espécie podem ficar isolados de outros grupos da mesma espécie. O isolamento geralmente é geográfico, o grupo pode migrar para algum lugar de difícil acesso (como ilhas ou cavernas), ou passar por um acidente geográfico (o surgimento de uma cadeia de montanhas ou a separação de continentes, como no caso da antiga Pangéia).

O caso é que uma vez que grupos de uma mesma espécie são separados e impedidos de se relacionarem, sua história evolutiva começa a divergir. Ambientes diferentes exercem forças de seleção diferentes. Neste ponto temos divergências entre teorias, a principal corrente neodarwinista acredita que as mutações vão ocorrendo gradualmente e se acumulando, até que o grupo isolado tenha divergido de modo a não mais poder ser considerado membro da espécie que o originou. Alguns acreditam que a evolução pode acontecer em períodos pontuados, intercalados por grandes períodos de estabilidade.

É importante observar que essa divergência é totalmente dependente do isolamento e leva muito tempo para ocorrer. O processo de especiação é lento e dificilmente gera resultados iguais. Ou seja, grupos de uma mesma espécie isolados geograficamente provavelmente vão divergir para espécies completamente diferentes, já que as condições ambientais dificilmente são iguais e, portanto, selecionam de maneiras diferentes.

Alguns grupos oponentes da teoria evolucionista alegam que embora se possa aceitar as chamadas “microevoluções” (as pequenas variações que não resultam em novas espécies), as macroevoluções (acúmulo de microevoluções que resultam em uma nova espécies) são complexas demais para ocorrerem de maneira natural e ao acaso. Muito embora eles não dêem uma explicação razoável para o processo de especiação, existe um fenômeno passível de observação que indica que a crítica acima não se sustenta. Trata-se das conhecidas “espécies em anel”.

Espécies em anel.

É um fenômeno particularmente interessante. Trata-se de grupos de uma mesma espécie que, por isolamento geográfico parcial em decorrência de migração, se diferenciam ao longo das regiões que habitam.Foi observado que os indivíduos geograficamente mais próximos eventualmente podia se reproduzir gerando descendentes férteis. No entanto, os indivíduos mais distantes do grupo original já tinham se divergido a ponto de não mais poderem ser considerados de mesma espécie. A figura abaixo representa melhor esse movimento.

Imaginemos que a ave acima se distribui em uma linha que parte do sul do país e sobe em direção ao norte, sendo o indivíduo mais à esquerda localizado no sul e o mais à direita no norte. Repare que o cruzamento no sentido das setas azuis é possível. Os descendentes desses cruzamentos podem inclusive se reproduzirem com o grupo imediatamente mais abaixo, ou seja, os filhotes do segundo com o terceiro indivíduo poderiam se reproduzir com o o primeiro indivíduo e ainda gerarem descendentes férteis.

De modo que podemos estabelecer uma escala que diz que, o indivíduo D pode se reproduzir com C e seus filhotes ainda poderão se reproduzir com os indivíduos B. Da mesma forma, o indivíduo B pode se reproduzir com o indivíduo C (ou os descendentes resultantes de D com C) e ainda gerar descendentes capazes de se reproduzirem com o indivíduo A. O processo funciona em todos os sentidos da escala, de modo que os indivíduos A e B podem se reproduzir e seus descendentes ainda serão compatíveis com C e assim por diante.

No entanto, e essa é a parte mais curiosa, os indivíduos A e D não podem se reproduzir ou geram descendentes inférteis. isso implica que ambos sofreram especiação de modo que a única ligação entre eles seja formada pelos indivíduos B e C que são intermediários. Se por algum evento qualquer os indivíduos B e C forem extintos, A e D perderam a ligação entre si e serão considerados espécies individuais.

Esse processo simples mostra que a especiação por acumulo gradual de mutações pode com efeito gerar novas espécies. Eu entendo que o processo todo de especiação seja um pouco complexo de assimilar, embora de fato ele seja simples. Por isso, não deixem de me questionar, perguntar ou tirar dúvidas pelos comentários.

Evolução: Seleção natural, artificial e sexual.

fevereiro, 2008

Não há dúvidas de que a seleção natural é mesmo uma maneira muito elegante de explicar a biodiversidade do planeta. No entanto, a despeito disso, Darwin não a considerava como única forma de seleção. No próprio Origem das Espécies, Charles dedica um capítulo para comentar sobre a ação da seleção artificial. Em “The Descent of Man” ele acaba estabelecendo uma novar força selecionadora, a seleção sexual. Ironicamente, no que diz respeito à seleção sexual, ela não foi muito bem aceita por alguns dos defensores de Darwin, entre eles, Alfred R. Wallace.

A Seleção Natural.

Para melhor compreendermos o processo de seleção natural, é preciso antes compreender a maneira como os animais variam em suas formas, mesmo em indivíduos do mesmo grupo. É comum observar que existem diferenças sutis entre membros de uma mesma espécie ou comunidade. Se observarmos com atenção um bando de chimpanzés, vamos logo notar que alguns são mais altos, outros mais fortes, as cores dos pelos podem  ter uma determinada variação e por aí vai. Em verdade, observamos as mesmas características entre os humanos. Embora sejamos todos de uma mesma espécie, carregamos diferenças morfológicas evidentes em comparação com os membros de nossas sociedades.

Embora o processo que resulta nessas diferenças não precise ser tratado detalhadamente neste momento, é importante considerar que ele é originário das etapas de divisão das células germinativas, ou seja, ocorre antes da formação do embrião que poderá vir a se tornar um novo indivíduo. Também vale observar que, a despeito de considerarmos as pequenas modificações como aleatórias, isso não é bem verdade. O fator de aleatoriedade existe, mas esta limitado a agir dentro de alguns parâmetros. Por exemplo, o filho de pais negros não poderá nunca nascer branco, ou de olhos puxados. No entanto, pode ter o tom de pele levemente mais claro ou escuro que de seus pais.

Mas deixemos os humanos de lado em benefício de um exemplo mais didático. Podemos imaginar uma espécie qualquer de ave vivendo em uma ilha com pouca ou nenhuma interferência do homem. Vamos supor que esta ilha possui uma particularidade, uma espécie de arbusto que cresce entre os rochedos e que produz pequenos frutos que servem de alimento ao grupo de aves que vive ali. Em alguns pontos da ilha existe um tipo de árvore que também produz frutos, mas eles são maiores e com uma casca um pouco resistente.

As aves que se alimentam do fruto produzido pelo arbusto provavelmente possuem bicos alongados, capazes de entrar pelos vãos dos rochedos permitindo à ave a alcançar seu alimento. Em uma população é possível imaginar que algumas aves tenham bicos mais alongados que outras. Não é difícil de imaginar que os indivíduos que nasceram com um bico levemente menor podem passar por situações difíceis na disputa pelo alimento, já que terão acesso à menos arbustos que as aves com os bicos mais alongados. Deste modo, estes poucos indivíduos menos afortunados provavelmente viverão menos, ou por deficiência de nutrição não serão capazes de se reproduzir. Deste modo, terão maior dificuldade em deixarem descendentes.

Mas a natureza é imprevisível e, por um evento qualquer, os arbustos sofreram com as intempéries ou pragas e entraram em extinção. As aves que se alimentavam quase que exclusivamente deles ficaram sem muitas opções a não ser passar a sobreviver consumindo os frutos grandes e de casca resistente das árvores da ilha. No entanto existe um problema. Os bicos alongados não são tão eficientes para a nova alimentação. Capturam com dificuldade os frutos e sua estrutura não ajuda o acesso à polpa da fruta. Eventualmente, aqueles indivíduos de bico menor realizam tal função com maior capacidade, se beneficiando de sua característica singular em relação ao grupo e tendo maior sucesso na disputa pelo alimento. Essa mudança de cenário provavelmente vai acarretar na mudança completa da população, aonde os indivíduos de bico menor passarão a deixar mais descendentes do que os de bico mais alongado.

Embora o exemplo seja totalmente hipotético, existem diversos casos reais semelhantes. É por exemplo o que Darwin observou ao visitar as Ilhas Galápagos. Todas elas eram habitadas por tentilhões que, no entanto, eram substancialmente diferentes entre sim. Era possível até mesmo identificar de que ilha cada indivíduo vinha, apenas observando suas características morfológicas. É muito provável que uma única espécie de tentilhão tenha colonizado a ilha, mas as diferentes dificuldades exercidas pelas diferentes ilhas acabou selecionando características diferentes em cada grupo de indivíduos.

A Seleção Artificial.

Esta é bem simples de compreender. O funcionamento é praticamente o mesmo da seleção natural, mas a força selecionadora em geral vem da ação do homem. Podemos por exemplo citar criadores de cães. Normalmente o criador escolhe características particulares de seus animais, talvez indivíduos mais peludos ou menores, e favorece esta característica permitindo que estes indivíduos procriem.

Embora neste caso as características continuem a se desenvolver de maneira mais ou menos aleatória, a força selecionadora do homem direciona o desenvolvimento de determinadas características. De modo que a seleção artificial, além de ter um objetivo (neste caso, comercial) age de maneira muito mais rápida que a seleção natural.

A Seleção Sexual.

A seleção sexual diz respeito à maneira que algumas espécies encontram para maximizar suas chances de reprodução. Neste caso, embora a seleção natural atue sobre a luta pela sobrevivência de cada indivíduo, os membros da espécie acabam por desenvolverem táticas para garantir um maior sucesso reprodutivo.

Podemos citar como exemplo o pavão. Trata-se de uma espécie de ave em que os machos carregam uma cauda vistosa e colorida. A disputa pela fêmea é feita pela exibição da cauda, que se abre feito um leque para impressionar a parceira pretendida. Em geral, o animal que tiver a cauda mais estravagante ganha  a parceira e se reproduz com sucesso. Deste modo, indivíduos com caudas ainda que levemente menos coloridas que de seus concorrentes, acabam tendo maior dificuldade em gerar descendentes.

A seleção sexual em geral ocorre em paralelo à seleção natural. Praticamente todas as espécies animais possuem estratégias reprodutivas de competição. Essas estratégias de reprodução não diferem muito das estratégias de sobrevivência e luta por recursos naturais. Agem de forma similar, garantindo ao indivíduo maior ou menor sucesso competitivo na dinâmica de sua população.

Vale observar que, INDEPENDENTE do método de seleção, as características surgem de maneira mais ou menos aleatórias. A seleção atua no sentido de beneficiar determinadas características que foram desenvolvidas, ainda assim,excetuando-se talvez a seleção artificial, as características são selecionadas sem um propósito ou fim. DE MANEIRA ALGUMA qualquer característica adquirida pelo indivíduo surge em resposta ao meio ambiente, nem mesmo na seleção artificial.