A Literatura de Cordel e a Leitura Científica

maio, 2010

As possibilidades da Divulgação Científica são muitas. Algumas tradicionais, outras nem tanto. O fato é que em toda a possibilidade de comunicação há igualmente a possibilidade de divulgação científica. Simples assim. E como bem sabe o marketing e a publicidade, qualquer lugar pode vir a ser um suporte para as estratégias de ação. A mesma coisa se pode dizer da divulgação científica. A diferença é que esta última, em oposição ao marketing e a publicidade, ainda não está na boca do povo. Assume-se por uma distância e pelos esforços de aproximá-la do grande público, em luta de espaço contra o capital tomado pelas mídias de massa. Preferências de um mundo formado por gerações e mais gerações focadas no consumismo e na descartabilidade das coisas e das pessoas.

O instrumento da leitura, assim que adquirido, passa a ser inato ao ser humano, que lê de um tudo que lhe cai à frente: caixas de cereais, bulas de remédios, placas, propagandas, legendas de filmes, livros, notas de rodapé. E quanto maior o uso das letras, maior a incorporação da linguagem se faz para o dentro de cada um de nós. Também a música se faz de linguagem, e letra. E de olho nessa capacidade de comunicação, o marketing e a publicidade, nada bobos, fizeram uso dela através dos jingles, sempre presentes em comerciais de televisão e rádio, dois excelentes suportes para a divulgação científica. Do mais alto nível do uso da linguagem, com suas perfeições acadêmicas, ao mais popular e uso corriqueiro que dela se faz, específicos das tradições populares ou das tradições orais, como os cordéis, um tipo de poesia popular impressa em folhetos rústicos expostos para venda pendurados em cordas (ou cordéis), se faz comunicação e, portanto, divulgação científica.

A leitura científica permite a aproximação entre a população e a ciência. Propicia um aprofundamento de conceitos. Geralmente sugerem-se: a revista Ciência Hoje (publicação da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), a revista eletrônica Café Orbital (publicação do Observatório Nacional), as revistas Scientific American e Scientific American Brasil (publicação da Editora Duetto), dentre outras como a Galileu (da Editora Globo), etc. Na ponta, os folhetos, o cordel, escritos em forma rimada e ilustrados com xilogravuras.

Nessa onda, o cordelista e presidente da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, Gonçalo Ferreira da Silva, lançou sua coleção Ciência em Versos de Cordel (publicação da editora Rovelle). Autor de diversos títulos com a temática da ciência, Gonçalo teve esse seu trabalho minuciosamente selecionado para dar origem a 12 livros infantis usando a literatura de cordel como suporte. São eles: Corpos Celestes, Microbiologia, Naturalismo, Natureza, Saúde, Criação, Imprensa, Astronomia, Mecânica, Matemática, Pensamento e Filosofia. Clap! Clap! Um bom exemplo do uso da leitura, das tradições e dos valores regionais para divulgar conceitos da ciência.

E que tal recitar esses versos de forma melodiosa e cadenciada, acompanhados da viola? Os saraus agradecem, e o público também, afinal, conhecimento nunca é demais. Para você, uma boa leitura científica.