Evolução: O cavaleiro de Lamarck

fevereiro, 2008

Jean-Baptiste Pierre Antoine de Monet, o cavaleiro de Lamarck, foi um importante naturalista francês. Lamarck é o responsável por uma das idéias sobre evolução, mais bem sucedidas em povoar o senso comum. Quem nunca ouviu falar em lei do uso e desuso ou de caracteres adquiridos? Com efeito a maioria das pessoas pensa na teoria da evolução sob os termos de Lamarck, em geral sem notar.

Mas Lamarck ofereceu muitas outras contribuições para a biologia. Fazia parte do exército francês e se interessava por história natural. Acabou sendo indicado a um cargo no Museu de História Natural de Paris.Teve uma importante carreira estudando a flora francesa, até ser indicado como curador dos invertebrados. Foi trabalhando com moluscos que chegou finalmente a sua teoria da evolução.

O lamarckismo

Lamarck acreditava que a biodiversidade do planeta surgia por geração espontânea e em formas simples. Com o tempo, iam se modificando, subindo em uma escala de complexidade. Com essa idéia em mente Lamarck tentou estabelecer os meios pelo qual essas modificações se davam e eram transmitidas para a próxima geração. Formulou então que em cada ser vivo existe um “fluído nervoso” responsável pela modificação morfológica de cada espécie.

Tal fluído se concentrava mais nos órgãos mais usados, permitindo que eles se desenvolvessem melhor que os outros. Para Lamarck as modificações só podiam ocorrer durante o período de desenvolvimento do animal, sendo passados para a próxima geração. Lamarck então propôs duas leis básicas, a lei do uso e desuso e a lei das características adquiridas. A lei do uso e desuso estabelece que quanto mais se exige de um órgão, mais ele se desenvolve, cresce ou se fortalece. De maneira oposta, os órgãos menos usados se atrofiando e desaparecem gradualmente.

Já a lei das características adquiridas diz que o animal transmite para a próxima geração as modificações produzidas durante sua fase de desenvolvimento, de modo que seus filhotes já nascem com a modificação adquirida pelos pais. O exemplo mais clássico das idéias de Lamarck é a explicação para o pescoço alongado das girafas. Segundo ele podemos imaginar que as girafas primitivas eram pequenas e possuíam pescoço curto. Vivendo em um ambiente aonde as folhas das árvores que lhes provém alimento ficavam muito acima do nível do solo, o movimento de esticar o pescoço de modo a alcançar essas folhas direcionava o “fluído nervoso” para a região e permitia que o pescoço crescece um pouco mais que nas gerações anteriores. Sucessivas gerações de girafas foram passando para sua prole os pescoços que aumentavam um pouco a cada geração, resultando no animal que temos hoje.

É importante notar que para Lamarck a evolução não era um processo aleatório e sem direção. Para ele, todos os animais evoluíam ativamente em resposta ao meio ambiente, se adaptando de acordo com as dificuldades que encontravam. O processo portanto era guiado a uma “direção final”, permitindo se estabelecer uma escala evolutiva entre os organismos vivos. Para Lamarck, era muito evidente que alguns animais eram mais evoluídos que outros, e sua justificativa dizia que tal afirmação mostrava claramente que os animais mais evoluídos surgiram primeiro no planeta.

A idéia de Lamarck não foi muito bem recebida. Muitos cientistas o contestaram e estabeleceram experimentos cujos resultados iam contra sua teoria evolutiva. Outros tantos afirmaram que o registro fóssil da época não corroborava com a evolução lamarckista já que os animais encontrados eram tão complexos quanto os que vivam atualmente. As expedições ao Egito também atestaram contra Lamarck. Muitos dos animais mumificados encontrados eram exatamente iguais às suas versões ainda vivas.

Mas Lamarck nunca abandonou suas idéias. Pessoas como Erasmus Darwin deram crédito à Lamarck e olhavam sua teoria com bons olhos. O lamarckismo ainda tem o mérito de ter se infiltrado com muito sucesso ao senso comum, talvez por sua explicação simples e sua estética bastante compreensiva. Mesmo nos dias de hoje, com o lamarckismo amplamente refutado, as idéias do velho Cavaleiro Francês se confundem com a revolucionária teoria do homem que mudou a biologia pra sempre.

No próximo texto: Como confessar um assassinato.